Google

Translate my page Google

9 de fev de 2010

O quinto Sol


Os Maias nos ensinaram que sua civilização era a 5º iluminada pelo Sol, “O quinto Sol”, e que antes tinham existido sobre a Terra outras 4 civilizações que foram praticamente destruídas por grandes desastres naturais.

Mas para entender tudo isso temos que entender as contas feitas por eles para chegarem a essa idéia.

Os Maias viram que toda a história poderia ser mapeada por uma matriz.
Dividiram um grande ciclo de 13 Baktuns (alinhamentos do sol).
Cada Baktun é igual 144.000 dias nossos.
Esse Baktun é dividido em 20 partes.
Um Katun no calendário Maia equivale a um ciclo de 20 anos do nosso calendário gregoriano. Katun significa “conta dos 20” e consiste de 7.200 dias nossos.

Então 13 Baktuns x 20 katuns são = 260 katuns

260 katuns equivalem a 5.125 anos de nosso calendário.
Segundo os dados Maias, já tivemos 5 ciclos (SOL)  de 5.125 anos, completando uma série de 25.625 anos, correspondente a um ciclo completo.

Mas ciclo completo de que?

O quinto Sol teve seu início em 10 de agosto de 3.113 a.C., com o “nascimento” do planeta Vênus no horizonte, e esse tempo findará em 22 de dezembro de 2.012.

25.920 é igual a 1 ano cósmico – uma ERA

Os Maias, assim como povos antigos, sabiam que o planeta tem um movimento natural chamado Precessão dos Equinócios que consiste em uma complexidade cósmica, por sua plasticidade e harmonia.

O total desconhecimento desses ciclos por nós em pleno século XXI fora do âmbito científico voltado à astronomia, é que causa certo pavor e ignorância generalizada sobre “Profecias”.

A “conspiração do silêncio” articulada em torno da "precessão" desde fins do século IV, e mesmo no Primeiro Concílio de Nicéia – no ano 325 de nossa Era – que repudiou e abafou o "tempo cíclico" impondo ao Cristianismo a doutrina do "tempo linear", ferindo assim a ordem natural dos fenômenos celestes nos deixando totalmente “às escuras” nos tornando reféns do MEDO.

Medo é ignorância sobre algo, já disse isso aqui milhões de vezes!
Historicamente, o movimento astronômico da precessão dos equinócios foi “redescoberto" por Hiparco de Rodas (nascido em Nicéia) no ano 125 antes de Cristo, e chamo atenção para "RE-descoberto" porque o fenômeno já era conhecido pelos povos que os céticos chamam de “místicos ignorantes”!

O movimento do planeta em seu eixo confere:
1º de arco em 72 anos, 
30º de arco em 2.160 anos, 
e 360º em 25.920 anos, período este último em que a Terra leva para passar pela influência dos 12  signos do zodíaco  para regressar muito proximamente a seu ponto de partida. 

A passagem por cada um dos signos é de 2.160 anos, que multiplicado por 12 signos é igual a 25.920, – o equivalente a uma ERA.

Em mais ou menos 25.920 anos terá havido um deslocamento de 360º, ou um ciclo precessional completo, já que nesse espaço de tempo, o ponto vernal apontou para todas as Constelações Zodiacais e retornou ao ponto zero grau de Áries.

Era de Leão 10.001 a.C a 8.000 a.C
Era de Câncer 8.001 a.C a 6.000 a.C
Era de Gêmeos 6.001 a 4.000a .C.
Era de Touro 4.001 a.C ao 2.000 a.C.
Era de Áries 2.001 a.C ao ano zero
Era de Peixes Ano 1 d.C. a 2.000 d.C.
Era de Aquário Ano 2.001 a 4.000

Segundo os Maias, a primeira civilização de homens havia sido destruída em tempos remotos por Jaguares (Primeiro Sol). 5.125 anos

A civilização seguinte fora destruída pelo Vento (Segundo Sol). 5.125 anos

Uma terceira por erupções vulcânicas ou Fogo (Terceiro Sol). 5.125 anos

A quarta havia desaparecido com um dilúvio de Água (Quarto Sol). 5.125 anos

O QUINTO SOL é esperado terremotos e uma mexida bem grande no planeta. 5.125 anos

Apertem os cintos

A coisa vai ficar feia!

A primeira noticia que temos dos Maias data do ano 600 a.C.
Para os hindus a palavra MAIA significa ilusão; MAIA também significa Mente, Magia e Mãe.

A grande importância dada pelos maias à medição do tempo decorre da concepção de que tempo e espaço tratam-se de uma coisa só e que flui não linearmente, como nos ensinaram, mas circularmente, isto é, em ciclos repetitivos.

Os Maias acreditavam que os acontecimentos basicamente se repetiam. Eram idênticos como um ciclo, o que facilitava muito prever um futuro e exercer poder sobre ele.

Assim como nós fazemos “previsões” sobre a melhor época do ano para viajar para um determinado país onde o clima difere do nosso ou “prever” uma melhor data para uma big festa ao livre. Sabemos que em março corremos um risco de ter mais chuvas do que o normal, certo? Junho e julho o clima é mais fresco, mas também mais seco e assim por diante.

Os Maias nos deixaram dois tipos de mensagens:
1  advertência pela autodestruição da raça humana pensante.
2 e esperança para que a raça cresça espiritualmente, que saia da visão do concreto, lógico e racional como uso diário (uso do hemisfério esquerdo do cérebro) e aumente sua capacidade emocional (lado direito do hemisfério cerebral) já que entraremos no início da era da mulher, da sensibilidade, da mãe.

O Apocalipse já existe em cada um de nós, basta observar a vida que levamos. 

Estamos mais separados do todo. Só objetivamos as partes. Perseguimos a evolução material – crescer financeiramente, quando a evolução tão esperada seria um desenrolar de atitudes, um aprendizado constante do momento, do agora... mas infelizmente só vivemos para um futuro, sempre tementes de um passado que evitamos (?)

A profecia Maia fala do final do medo em nosso mundo de ódio e materialismo terminando no sábado, 22 de dezembro do ano 2012. 

E Laura diz que esse final do medo é o sair da ignorância.

O conceito chama-se Najt e é representado graficamente por uma espiral.

O nosso universo é representado por uma espiral. Tudo em nossas vidas tem uma relação com vórtices, já repararam?

 Neste período a humanidade terá que estar preparada para atravessar as portas que nos deixaram os Maias, transformando a civilização atual, apoiada no medo, em uma vibração muito mais alta, de harmonia. Um fato que apóia o pensamento de evolução espiritual.

Temos que vibrar muito mais alto se quisermos mudar nossas freqüências. E essa mudança de vibração, vcs já sabem – mudança de pensamento, de ação, de comportamento diante de nós mesmo e do outro....

Estamos as portas de um sexto Sol de 5.125 anos e não vejo mudanças significativas...

Será a nossa última oportunidade para essa civilização, para realizar as mudanças que nos conduzam ao momento da regeneração espiritual e a uma Nova Era Dourada planetária.

Só de maneira individual se pode atravessar a porta que permitirá vc atravessar essa nova ERA, a uma nova dimensão, com propósito significativo.

Lembrando sempre que somos imortais e todo conhecimento será levado com vc – com sua energia.

Cientistas nos dizem que cada ser humano tem uma identidade energética individual, assim como uma assinatura pessoal, digital. Não existe ninguém no planeta que seja igual a vc. Vc detém todo o conhecimento de suas vidas passadas para chegar até aqui.

Pense: por que vc está nesse momento da história da humanidade?
Deve ser porque vc pediu isso. 

Então faça o melhor que puder. Trabalhe para as mudanças que virão, não existe “profecia”, apenas fatos, possibilidades que podem ser mudadas...


O Livro Sagrado Maia do CHILAM BALAM, diz: 

“Ao final do último Katun (1992-2012) haverá um tempo em que estarão imersos na escuridão, mas logo virão os homens do Sol trazendo o sinal futuro. Despertará a Terra pelo norte e o poente, o ITZA despertará”.

Laura Botelho

3 comentários:

  1. perfeito! gostei muito :)

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante. Vou visitar mais este blog!

    ResponderExcluir
  3. estamos perto desse despertar, estamos acordando

    ResponderExcluir

Não serão publicados comentários racistas, chauvinistas, sexistas, feministas, flamenguistas, partidaristas ou que enalteça um ditador de bandeira vermelha de qualquer país. Tão pouco não serão publicados ataques pessoais entre leitores ou a autora desse blog. Nem pensar publicarei observações ortográficas relativas aos meus erros crassos do Português, pois faz parte do meu show. Anônimos continuarão anônimos, não publicarei. Para ser sincera, não gosto de comentários. Não escreva.
laura botelho

meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos