Google

Translate my page Google

6 de nov de 2018

Harvard desconfia que objeto próximo a Terra, possa ser alienígena



Oumuamua – língua Havaiana, significa: “mensageiro ou explorador".

Quando a mídia alerta para um assunto de caráter “extraterrestre”, destacando “Harvard”, as pessoas começam a olhar com outros olhos, certo? Então presta atenção a notícia que está circulando na rede essa semana.
 
OUmuamua - ilustração enganosa
Em 19 de outubro de 2017, “Oumuamua” foi o primeiro objeto interestelar já visto por seres humanos na Terra, identificado por A / 2017 U1 pelo astrônomo Robert Weryk usando o telescópio Pan-STARRS no Observatório de Haleakala, no Havaí.

O que chamou atenção do astrônomo foi que esse objeto fez uma curva sob o nosso sistema solar, passando sob a órbita da Terra em 14 de outubro de 2017, a uma distância de cerca de 24 milhões de quilômetros - cerca de 60 vezes a distância até a Lua.

Isso não seria nada de mais, se esse objeto passasse a ganhar impulso de volta acima do plano dos planetas aumentando sua velocidade para 44 Km/s em relação ao Sol, deixando nosso sistema solar lépido e fagueiro, em direção à constelação de Pégaso...

Oumuamua, teria cerca de um quilômetro de comprimento com uma estranha cor avermelhada. Narra a lenda, que o objeto veio e partiu tão rápido, que nenhum telescópio conseguiu imagens dele e o que vemos por aí é uma “simulação” artística de como ele seria...

Stephen Hawking e outros especialistas em 2017, não excluíram a origem extraterrestre do Oumuamua, e outros cientistas alertaram para o seguinte:

"Essa é a órbita mais extrema que eu já vi."
Davide Farnocchia, Ph.D., Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra da NASA (CNEOS), Laboratório de Propulsão a Jato em Pasadena, Califórnia, 19 de outubro de 2017.

"O mais surpreendente é que nunca vimos objetos interestelares passarem antes" -  Karen Meech, astrônoma do Instituto de Astronomia da Universidade do Havaí em Honolulu, especializada em pequenos corpos e sua conexão com a formação do sistema solar.


Lixo sideral?
Esse objeto interestelar - que “não pode ser fotografado” - pode ser uma “vela alienígena”, dizem pesquisadores de Harvard e considerando ser de origem artificial, uma possibilidade é que Oumuamua é uma vela de luz, flutuando no espaço interestelar como um entulho de um equipamento tecnológico avançado...

Passados um ano depois de sua descoberta, semana passada, no dia 1 de novembro de 2018, o presidente do Departamento de Astronomia de Harvard, Avi Loeb, Ph.D., e seu colega, Schmuel Bialy, Ph.D., da Universidade de Tel Aviv, Israel, publicaram um artigo em o arquivo da Biblioteca da Universidade de Cornell intitulado;

 A pressão de radiação solar poderia explicar a aceleração peculiar de Oumuamua?”


Oumuamua mostrou desvios de uma órbita de Kepler com uma significância estatística alta. Discutimos as possíveis origens de Oumuamua, incluindo a possibilidade de que possa ser uma vela de origem artificial… para viagens interestelares.

Outro cenário “científico” - que nos agrada mais - é que, Oumuamua pode ser uma sonda totalmente operacional enviada intencionalmente à vizinhança terrestre por uma civilização alienígena - escreveram os pesquisadores no estudo.

As imagens distribuídas na internet são todas ilustrações de modelos de computador orientadas pelo pessoal de “Harvard”. Não há espectroscopia nem da composição de Oumuamua – um tipo de revelação que poderia agitar demais a macacada.

Fato; estamos muito próximos de uma “revelação”. Os sinais são claros e precisos. Observe o método gentil de contar as mentes infantis sobre a situação do “gato” que subiu no telhado...

Há décadas, nós sabemos que o “gato” morreu, mas para os seguidores de Harvard, ele ainda passa bem... mas com um ligeiro mal estar de cunho "perigoso"... 

laura botelho


meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos