Translate my page Google

23 de jun. de 2019

Sinais do fim desse "mundo" - recapitulando



Acontecimento estranho.
Enorme surto de nuvens noctilucentes sobre a Europa em 21 de junho de 2019. Essa aparição noctilucente pode ter sido o maior e mais difundida já observada na Europa

Uma das visões mais épicas no céu que eu já vi !!” diz um veterano de tempestades de meteoros, eclipses solares, grandes cometas e tempestades aurorais.


Nuvens perigosas na borda do espaço estão se espalhando
As nuvens são chamadas nuvens noctilucentes ou “nuvens que brilham à noite”, são fenômenos parecidos com nuvens na atmosfera superior da Terra. Elas consistem em cristais de gelo e só são visíveis durante o crepúsculo astronômico. São nuvens eletricamente carregadas – lindas, mas perigosas...

Foram vistas pela primeira vez em 1885, apenas quase exclusivamente nas regiões polares da Terra, mas agora também são visíveis nos céus dos Estados Unidos, da Europa e de outros lugares e estão se espalhando.

Foram registradas dois anos após a erupção do Krakatoa que arremessou plumas de cinzas vulcânicas a até 80 km de altura na atmosfera da Terra. Quando as cinzas do vulcão se assentaram e o pôr do sol vívido de Krakatoa desapareceu, as nuvens noctilucentes ainda estavam lá.

Essas nuvens estão dentro da atmosfera da Terra, em uma camada chamada mesosfera que varia de 50 a 85 km de altura. A mesosfera é muito fria (-125 C), também muito seco - cem milhões de vezes mais seco que o ar do deserto do Saara, no entanto as nuvens noctilucentes são feitas de água, de minúsculos cristais de gelo do tamanho de partículas na fumaça de um cigarro.

Como isso é possível? Algo está diferente lá em cima!
Nenhuma observação de qualquer coisa parecida com nuvens noctilucentes foram relatadas antes de 1885. Por que elas estão ficando mais presentes? Por que essas nuvens estão ficando mais brilhantes e por que elas estão aparecendo em latitudes mais baixas? Ninguém responde.

"Essa é uma preocupação e uma questão real", disse James Russell, cientista atmosférico da Hampton University

"Para obter as nuvens noctilucentes, você precisa de temperaturas que são cerca de 20 graus Kelvin mais frias do que o que vemos em média lá em cima" "Podemos ter efeitos de CO2 ou metano, mas seria apenas um grau ou uma fração de um grau." - disse Vincent Wickwar, cientista atmosférico da Universidade Estadual de Utah.

Como tudo que “não deve ser comentado ou esclarecido” fora do círculo de grupos controladores da informação... isso também não sairá no “Fantástico” ou será tema de alguma aula na Faculdade, tão pouco os “cientistas” confirmarão algo fora do “normal” – essa você terá que pesquisar por si.

Intensa onda de calor na próxima semana
Muito acima da temperatura normal irá se desenvolver em toda a região centro-oeste da Europa, de 24 a 30 de junho de 2019

Em 2015, os dados de satélite revelaram que 21 dos 37 grandes aquíferos do mundo sofreram severo estresse hídrico. Pesquisadores indicaram que essa crise só deve piorar.

Rajendra Singh, é conhecido como o “homem da água da Índia”. Nos últimos 32 anos, através de sua ONG Tarun Bharat Sangh (Organização Jovem da Índia), Singh liderou iniciativas comunitárias de coleta e gestão de água no distrito de Alwar em Rajasthan, um estado árido e semidesértico no noroeste da Índia.

Os governos geralmente não apoiam as iniciativas da comunidade - eles apoiam contratados, não comunidades. O governo sempre gosta de grandes projetos em nome do combate à desertificação ou do rejuvenescimento da paisagem: grandes barragens, grandes canais, sistemas centralizados de irrigação, sistemas de água potável por dutos. Eles criam novos canais mesmo quando os antigos canais estão secos. Não há participação da comunidade nesses projetos. Todo tipo de trabalho é dado a um contratado agora. É uma democracia impulsionada pelos contratados, não uma democracia dirigida pelo povo
Rajendra Singh

Observou-se que as comunidades rurais indianas afetadas sofrem com a escassez de água potável, a indisponibilidade de forragem para o gado, a migração junto com as famílias e o aumento do endividamento. A seca na Índia é um evento regular que ocorre quase todos os anos em alguns estados indianos. Um grande número de famílias que depende da chuva para sua subsistência foi atingido pela seca por três anos seguidos e ficaram sem mecanismos de enfrentamento.

Como as secas são uma parte normal de praticamente qualquer clima, é importante desenvolver planos para reduzir seus impactos, mas os governantes não desejam resolver nada e o objetivo desses “controladores” é piorar as coisas.

Onde o terrorismo é ativo, geralmente há escassez de água.
A terceira guerra mundial está à nossa porta, e será sobre a água, se não fizermos algo sobre esta crise. Corporações poderosas criaram um mercado da água - elas poluem nossos rios e nos fazem pagar por água potável. diz Rajendra, o “homem da água” na Índia.

Em 2014-15, a Índia teve um déficit de 12% nas chuvas, seguido por um déficit de 14% em 2015-16. De acordo com o Ministério da Agricultura e Bem-Estar do Agricultor, governo da Índia, 266 distritos de 11 estados declararam oficialmente a seca em 2016.

O déficit de chuva impactou severamente as comunidades e levou a medidas extremas dos governos locais, incluindo a introdução de restrições ao uso da água, o posicionamento de guardas armados em reservatórios de água e o envio de trens de água para as regiões mais afetadas.

Não apenas os hospitais, o setor de TI e hospitalidade também foram gravemente atingidos. Muitas empresas de TI em Chennai adotaram o sistema rotativo de trabalho, enquanto muitas outras deram aos funcionários a opção de trabalhar em casa. Muitos hotéis reduziram a produção e, em alguns casos, até o horário de funcionamento.

24 dos 32 distritos indianos são atingidos pela seca - 2019
Cerca de 1.900 aldeias em cerca de 30 distritos de Karnataka estão enfrentando condições de seca. Cerca de 2.600 caminhões pipa foram despachados para aliviar a crise. O governo do estado de Karnataka declarou que 3.122 regiões foram severamente afetadas pela escassez de água potável.


A crise da água aflige mais de 24 distritos dos 32 nos estados que agora são declarados atingidos pela seca. O cultivo nesses distritos, que representam 45,4% da produção de arroz do estado, sofreu um impacto quando a região do delta sofreu com um suprimento inadequado de água da Barragem de Mettur.

Os níveis de água nos quatro principais reservatórios de Chennai são considerados os mais baixos. As quantidades atuais somam cumulativamente apenas 1,3% da capacidade total, a quinta mais baixa registrada nos últimos 74 anos.

O fato de que as temperaturas estão subindo para 41 graus Celsius está piorando a situação na área. Karnataka costeira, rica em chuvas, também está testemunhando uma grave escassez de água. Recebeu chuvas abaixo do normal pós-monção (180,4 mm contra 263 mm esperados) e entre janeiro e maio (36,6 mm contra 50,3 mm esperados). Resultante disso, o lençol freático também se esgotou para um recorde de baixo nível. A barragem de Baje, do outro lado do rio Swarna, que é a principal fonte de água para o distrito, "atingiu o limite de armazenamento morto".

Após 21 de dezembro de 2012, quando muitas pessoas acreditavam que o mundo acabaria, elas não se enganaram...
O “mundo” que estávamos acostumados (e de fácil leitura) não existe mais.
Os movimentos danosos do clima tornaram mais frequentes e severos, ameaçando áreas vulneráveis ​​com inundações, furacões, tsunamis, calor extremo ou nevascas fora do normal. Chover granizo é tão comum agora, assim como os terremotos de grande intensidade. Os vulcões estão ativos e furiosos, espalhando metano na atmosfera com nuvens que se estendem a quilômetros.

Se o ambiente muda, os seres vivos também mudam – e o SER HUMANO é o mais afetado imediatamente. É necessário reformular novos meios de sobrevivência ou se adaptar aos mecanismos da sociedade. Com a mudança de clima, muda-se também o humor das pessoas e a percepção das coisas.

A supressão do ritmo cotidiano das pessoas, a massa humana fica histérica, agressiva, violenta com estranhos e com os seus familiares. Os mais fracos são as vítimas dessa seleção - os idosos, as crianças e mulheres.

As pessoas mais esclarecidas, sobre esses eventos cíclicos, tratam de se organizar, de estudar meios, ambientes que possam ajudar a amenizar os impactos de uma provável escassez de recursos básicos para a manutenção da vida dos familiares – água e segurança.

Empresas como VIVOS Group, Survival Condo Project, criaram bunkers para esses fins. São condomínios subterrâneos que alegam segurança, conforto e manutenção da vida por alguns anos para qualquer situação extrema que aconteça “lá em cima da terra”.

O Grupo Vivos é uma empresa sediada em Del Mar, Califórnia, onde construiu uma "rede global de abrigos subterrâneos" para clientes de alto nível – em um espaço de armazenamento para equipamentos militares soviéticos durante a Guerra Fria. Seu complexo mais sofisticado, conhecido como Europa One, está localizado abaixo de uma montanha de um pouco mais de 120 metros de altura no vilarejo de Rothenstein, na Alemanha.

Há também o “xPoint”, um complexo em Dakota do Sul que é quase do tamanho de Manhattan. O complexo é composto por 575 bunkers, cada um com espaço suficiente para 10 a 24 pessoas. A empresa tem outro abrigo em Indiana, que pode abrigar apenas 80 pessoas.

Groelândia derrete
A foto foi tirada em 13 de junho 2019 pelo cientista Steffen M. Olsen. Ele mostra vários cães puxando um trenó em Inglefield Bredning, ao norte da Groenlândia onde deveria ter um piso de gelo.

No verão, nessa localidade, o máximo da temperatura média é de 3,2°, mas recentemente foi registrado 17,3° em 12 de junho 2019 e 15° no dia 13. Temperaturas totalmente incomuns.

As altas temperaturas incomuns foram devido ao ar mais quente vindo do sul. O cientista do Instituto Meteorológico Dinamarquês Ruth H. Mottram explicou que este evento acontece de tempos em tempos, mas há evidências de que está se tornando mais comum. Além disso, à medida que a atmosfera se torna mais quente, levam a um maior degelo.

13 junho de 2019 - Groenlândia

Andrés Barbosa, pesquisador do CSIC e diretor de campanhas no Ártico, disse: "Este aumento está supondo que 63% das geleiras da Groenlândia estão derretendo e tem havido uma perda de 30% do gelo do mar."

O derretimento das geleiras gera uma alteração no equilíbrio entre a temperatura e a salinidade da água do mar pela contribuição da água doce das geleiras que podem afetar as correntes marinhas. O aumento do nível do mar e o aumento do degelo pela redução do gelo que reflete o sol produz um aumento na radiação solar no planeta.

"A maioria das comunidades indígenas que vivem na Groenlândia dependem do mar de gelo para se mover, pescar e caçar. Eles são os primeiros afetados por sua dissolução, com consequências que não se limitarão a esta região ou à América do Norte ", adverte Steffen Olsenautor da foto viral.

Uma catástrofe climática que terá repercussões diretas também sobre a fauna e a flora local e a vida de gerações futuras.

Normalmente, a estação de derretimento da camada de gelo vai de junho a agosto, especialmente em julho, o mês mais quente do ano. Mas este ano, devido a temperaturas acima de 40 graus em comparação com a norma, em 13 de junho, 40% da Groenlândia já haviam perdido grandes quantidades de gelo, estimadas em mais de 2 bilhões de toneladas.

Para os cientistas, 2019 promete ser um ano recorde, a par das temporadas de 2012, 2010 e 2007.

Você já percebeu que não ando atualizando esse BLOG ultimamente, isso porque não há necessidade de replicar o que já narrei anos anteriores. Os fatos estão aí, com fotos e evidencias abundantes.

Não é necessário buscar um “bunker” para aguardar os “grandes eventos”, pois eles já estão na nossa porta, e se você não quer enxergar isso... eu só lamento. Lamento que você só tome alguma atitude quando não tiver mais chances de fazer escolhas.

Você teve 20 anos para mudar... Os Maias avisaram sobre isso também.

laura botelho

meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos