Google

Translate my page Google

22 de jul de 2014

E as portas do inferno irão se abrir...

Explosões de raios gama são as explosões mais poderosas e mais quentes explosões do universo desde o Big Bang. Essa energia extremamente forte tem mais energia em 10 segundos do que o nosso sol durante toda a sua vida útil de 10 bilhões de anos.

Essa energia viajou 12.100 milhões anos da sua origem antes de ser detectada e observada pelos humanos, mas chegou recentemente a Terra e está visível aos olhos. Foi flagrada às 11 pm 19 de abril 2014 pelo telescópio robótico da SMU no Observatório McDonald nas Montanhas Davis de West Texas.

Dizem os cientistas que não foram “capazes de detectar a luz óptica de explosões de raios gama até o final dos anos 1990” – e você acredita mesmo nisso?

Eles já conhecem essa força e sabiam que ela chegaria em breve e que nada poderiam fazer a não ser alertar aos iniciados. Essa explosão de raios gama é fruto de uma supernova, um tsunami galáctico, uma onda devastadora de energia.

Essa é a mensagem básica da teoria quântica. O cérebro como um computador é auto programado com entrada de auto-sustentação da memória, que é um código derivado da experiência anterior.

Meu objetivo agora é mostrar com mais detalhes como as intenções conscientes de um ser humano podem influenciar as atividades de seu cérebro. Para fazer isso eu preciso primeiro explicar as duas funções importantes do observador.

O mundo físico é uma estrutura de tendências ou probabilidades dentro do mundo da mente. O elemento da escolha consciente é a remoção de oportunidade da natureza. Portanto, se você faz a escolha, quebra o padrão aleatório.

O problema com a consciência é a maneira de poder explicá-la. Não é fácil, ainda mais fazendo uso de símbolos gráficos. Devemos reconhecer a necessidade da responsabilidade pessoal. Seu destino está no conjunto de suas escolhas, mas se você não sabe que faz escolhas o tempo todo... não terá “consciência” alguma sobre essas escolhas.

William James dizia que:
Uma composição discreta é o que realmente se obtém em nossa experiência perceptiva. Nós ou não percebemos nada, ou há algo em quantidade apreciável. Este fato é na psicologia conhecida como a “lei do limiar”.

Lei do Limiar – uma relação, estímulo – resposta. Para todo reflexo existe uma intensidade mínima necessária para que a respostas aconteça. Valores abaixo do limiar não eliciam respostas, enquanto valores acima do limiar eliciam respostas.cursos

Livro Enoch
Não entendeu pinico?
Traduzindo: Se mexa enquanto há tempo! Certamente nosso conhecimento pode mudar de repente quando buscamos respostas e é justamente essa ação que justifica o uso do termo “salto quântico”. A evolução é individual e só você pode buscar as respostas para suas duvidas.

Revisionismo histórico 
É o estudo e a reinterpretação da História, baseado na ambigüidade dos fatos anteriores e na imparcialidade com que esses fatos possam ter sido descritos.

As pesquisas de cunho acadêmico são limitadas nas universidades e envolvem interesses políticos que nem sempre coadunam com a realidade dos fatos, mas apenas e tão somente mantém o padrão anterior do programa. Uma vez que se muda o significado, toda a experiência muda e isso não é interessante para os deuses.

O uso do revisionismo histórico dentro das universidades ficou restrito apenas à reinterpretação de trechos didáticos previamente censurados, ou "se houvesse" surgimento de novos dados ou novas análises mais precisas, que viabilizem o cruzamento de dados já conhecidos, mas não considerados.

Pasme você que; com ou sem a utilização do método histórico, o revisionismo em muitas nações é considerado uma prática ilegal e pseudocientífica. Não se pode “rever” aquilo que já foi dito pelos nossos antecessores. O que significa que o programa não pode ser mudado, reformulado, reorganizado de forma a ajudar a nossa compreensão daquilo que não bate com o que estamos experimentando.

Infelizmente para os arqueólogos, os escritores dos livros didáticos são muitas vezes os Guardiões do conhecimento e que controlam o financiamento para a investigação arqueológica. Portanto, BLOGs como o meu têm a função de trazer uma riqueza de assuntos que podem ser compartilhados e postos em confronto com os textos antigos de todas as eras e todos os autores - que por motivos óbvios - não nos ajudam a enxergar o TODO, mas apenas PARTES da história que lhes interessa.

Por volta de 1700, o já célebre Isaac Newton, passou a contestar a lista de Manetho e concluiu que os faraós Sesostris e Tutmés III eram a mesma pessoa – as conquistas militares dos dois soberanos eram exatamente iguais.

Newton era dado a fuxicar livros antigos para contrapor com o que ele entendia por experiência própria e acadêmica. E numa dessas fuxicadas percebeu claramente que os cronistas gregos e alexandrinos como Eratóstenes, Manetho e Berossus enganaram descaradamente as futuras gerações.

Suas narrativas sobre as antiguidades do Egito e da Assíria cronologicamente não fazem sentido. Nas últimas décadas, alguns arqueólogos tentaram provar que a “idade das trevas” teria durado bem menos que 500 anos – ou talvez nem tenha existido.

Uma “Idade de Trevas”, ninguém esquece, deve representar algo marcante para um povo, mas esse período tampouco é mencionado pelos outros autores gregos contemporâneos. Para os revisionistas, portanto, seria muito mais lógico se esse intervalo – que coincidiu com a troca da escrita anterior por um novo alfabeto – fosse, na verdade, uma transição de algumas décadas e não um apagão de 500 anos.

Newton concordou com o narrador Josephus que o Sisaque bíblico foi o Sesostris de Heródoto, e que Heródoto simplesmente estava com outro nome. Pelo que é dito de Sesostris e sua conquista da Núbia se encaixa perfeitamente com feitos do faraó Tuthmoses III (Thoth) e estão agora datados cerca de 600 anos depois de seu tempo

A versão original egípcia do nome de Manetho (em latim) significa "Presente de Thoth", "Amado de Thoth", "Verdade de Thoth".

A lista dos reis de “Manetho” relata o mesmo reinado duas vezes com nomes diferentes, reis listados na ordem errada, com nomes diferentes e repetidos várias vezes, e incluiu os nomes de outros grandes homens e mulheres que foram apenas relacionamentos de reis ou de seus vice-reis ou secretários de Estado. Também estendeu sucessivas dinastias para todo o Egito. Alguns reis cujos seus domínios anunciados nunca se estenderam para além de uma única cidade. 

Sigmund Freud, que era um colecionador de antiguidades egípcias, explorou a história da religião em um livro, escrito em 1939, intitulado "Moisés e o monoteísmo" em que ele ligou Moisés (thoth) e Akhenaton (thoth) 

Immanuel Velikovsky, também psiquiatra, ficou intrigado com o livro de Freud e pesquisou a história do Êxodo e catástrofes e cosmologia e em 1945 publicou suas "Teses para a Reconstrução da História Antiga", que hoje conhecemos como "Mundos em Colisão" (1950).

Velikovsky baseou seu texto após um profundo estudo de lendas em todo o mundo acerca de inundações desastrosas e batalhas no céu e o grande medo induzido por tais acontecimentos, concluindo que planetas tinham sido, de alguma forma a causa de catástrofes na terra dentro da memória da humanidade.

Velikovsky era categórico: a cronologia egípcia estava inteiramente equivocada. E mais: para ele, a Idade das Trevas da Grécia sequer tinha ocorrido. Devido a idéias como essas, ele foi banido da comunidade científica e perseguido intelectualmente. Acadêmicos de Harvard logicamente ridicularizaram e condenaram o livro de Velikovsky o taxando de herético, mas isso só aumentou o interesse público em todo o mundo no livro. 

Então, com A idade do caos em 1952 acendeu um debate público sobre a cronologia antiga. Velikovsky mostrou que o resultado de suas pesquisas havia um buraco na história de 500 anos o que trouxe as primeiras histórias de alguns países em um alinhamento muito mais convincente, e resolveu muitos problemas cronológicos gritantes.

Ramsés II (Thoth) foi o Faraó do Êxodo, mas nenhum dos outros eventos históricos do Antigo Testamento poderia ser encontrado em seus lugares esperados. Os acontecimentos do Êxodo foram causados por uma catástrofe natural que afetou grande parte do Oriente Médio facilmente identificado em outros textos de autores contemporâneos.

Velikovsky insistiu durante 10 anos que algum teste como o carbono -14 – fosse feito com material vindo do Egito, mas nenhum museu quis liberar amostras. Somente em 1963 o Museu do Cairo permitiu que amostras da tumba de Tutancâmon fossem analisadas e o resultado dos testes, realizados pela Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, foi 1.120 a.C. Isso representa 200 anos a menos do que a data aceita para a morte do faraó.

Uma múmia com DNA não humano
Ötzi o homem do gelo ou Homo tyrolensis, é uma múmia bem-preservada natural, de um homem que viveu por volta de 5.300 aC . A múmia congelada de Ötzi - enquanto ainda fixo na geleira - foi fotografada por Helmut e Erika Simon, um casal de turistas alemães de Nuremberg, no dia 19 de Setembro de 1991. Eles estavam a 3.210 metros sobre o cume do leste do Fineilspitze nos Alpes Ötztal - daí o apelido de "Ötzi" - na fronteira da Áustria com a Itália.

O casal pensou que o corpo fosse de um alpinista falecido recentemente. O cadáver foi exaustivamente examinado, medido, radiografado e datado e concluído que seria a múmia natural mais antiga de um homem já conhecido da Europa. Seu corpo e pertences estão exibidos no Museu de Arqueologia do Tirol do Sul em Bolzano, na Itália.

O homem de “Ötzi” tinha 45 anos de idade e aproximadamente 1,65 metros de altura, pesando cerca de 50 kg. Análise do conteúdo intestinal de Ötzi mostraram duas refeições (o último foi consumido cerca de 8 horas antes de sua morte). 

Havia grãos, bem como raízes e frutos. Acredita-se que a morte foi causada por uma pancada na cabeça, embora os pesquisadores não tenham certeza se isso foi devido a uma queda, ou de ser golpeado com uma pedra por outra pessoa.

O grão de ambas as refeições era altamente processado - farelo de trigo, possivelmente comido na forma de pão.

Altos níveis de partículas de cobre e arsênico foram encontrados no cabelo de Ötzi. Isto, junto com machado de cobre do Ötzi, que é de 99,7% de cobre puro, o que levou os cientistas a especular que Ötzi tinha conhecimento de fundição de cobre o que leva a estranheza que não é característica da Idade do Cobre europeu.

Roupas e sapatos
Roupas de Ötzi eram sofisticadas. Ele usava uma capa feita de tecido e um casaco, um cinto, um par de leggings, uma tanga e sapatos, todos feitos de couro de peles de animais diferentes. Ele também usava um boné de pele de urso com uma cinta de queixo de couro.

Seus sapatos já foram reproduzidos por um acadêmico Checo que disse: "os sapatos são realmente muito complexos, estou convencido de que mesmo 5.300 anos atrás, as pessoas tinham o equivalente a um sapateiro que fazia sapatos para outras pessoas." Os sapatos eram à prova d'água e largo, aparentemente feitos para caminhar na neve.

Influenciado pela “maldição dos faraós", Ötzi também foi amaldiçoado. Varias pessoas ligadas à descoberta, recuperação e exame posterior de Ötzi teriam morrido em “circunstâncias misteriosas”. Até o momento, a morte de 7 pessoas, das quais 4 tiveram o resultado de alguma forma violenta diagnosticada como “acidentais”.

Ao lermos as profecias do "Bhagavata Purana", um dos livros básicos do hinduísmo, diz que "um poder cósmico na terra será conhecido de todos quando o Sol, a Lua e Júpiter estarem em conjunção no signo de Câncer.

Esta conjunção será por volta de 27 julho 2014. De 27 de julho de 2014 a 3 de setembro de 2014 são exatamente 39 dias. 39 é 3 vezes o número 13, talvez o número ocultista mais poderoso da história. 

Não faço a menor ideia do que possa ocorrer, mas ficar atento aos movimentos, é salutar.

Em 3 de Julho de 1988, exatos 26 anos, um míssil foi disparado a partir de um porta-aviões dos EUA, o USS Vincennes, atingindo um avião civil iraniano (Flight 655 Iran Air Company), matando 290 civis, incluindo 66 crianças.

O então presidente dos EUA Ronald Reagan apenas disse:
 "o avião civil iraniano se dirigiu para o USS Vincennes. Quando o avião ignorou repetidas advertências, o USS Vincennes atirou para se defender


Mas o avião estava em espaço aéreo iraniano sobre as águas iranianas e os USA nunca foram condenados por isso.

Nós agora sabemos como a história do planeta é feita a cada ciclo: por fatos e imagens narradas de forma a favorecer um povo ou “personagem”. São ocultadas provas oculares de formas variadas, na maioria delas = acidentais. Quando alguém chega muito perto da realidade, a sua “realidade” é mudada dramaticamente.

Precisamos nos concentrar e buscar novas formas de ver o mesmo evento, não caindo na armadilha do contexto “histórico”. Não há povos rivais, não há homens maus, apenas seres altamente desorientados e inconscientes de sua identidade consecutivamente. Fomos enganados, estamos sendo enganados e isso nunca terá um fim, mas algo nos últimos anos mudou...

E o que seria essa mudança? NEXUS está chegando.

Lembrando que o ambiente nos afeta de forma avassaladora, mas felizmente, somente com nosso consentimento.

laura botelho





meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos