24 de mar. de 2021

Pandemia do Sono (encefalite letárgica) afetou milhões...


No inverno de 1916-1917, uma "nova" doença apareceu repentinamente em Viena/Itália e em outras cidades, e rapidamente se espalhou pelo mundo nos 3 anos seguintes.

Entre 1915 e 1926, ocorreu uma pandemia de encefalite letárgica mundial, afetando cerca de 5 milhões de pessoas e matando cerca de 1,6 milhão de pessoas.
Descrita pela primeira vez pelo neurologista Constantin von Economo e o patologista Jean-René Cruchet, essa doença atacava o cérebro, deixando algumas vítimas em estado de estátua, sem palavras e sem movimento.

O número de infectados durante os 10 anos da pandemia é incerto. 
Relatórios anteriores apareceram em toda a Europa já no inverno de 1915-1916, mas a comunicação sobre a doença era lenta e caótica, dada a manifestação variada de sintomas e dificuldades de disseminação de informações em tempo de guerra.

A encefalite letárgica assumiu sua forma mais virulenta entre outubro de 1918 e janeiro de 1919. A grande pandemia de encefalite coincidiu com a pandemia de influenza de 1918.

Os sobreviveram nunca retornaram ao seu vigor - Eles estariam conscientes e atentos - mas não totalmente despertos.

Ficavam sentados imóveis e mudos o dia todo em suas cadeiras, totalmente sem energia, ímpeto, iniciativa, motivo, apetite, afeto ou desejo, profunda indiferença ao ambiente. Eram fantasmas, passivos como zumbis.

A pandemia do sono desapareceu tão abrupta e misteriosamente quanto apareceu pela primeira vez.

Denominada como encefalite letárgica, tinha como primeiros sintomas febre alta, dor de garganta, dor de cabeça , letargia , visão dupla , resposta física e mental retardada, inversão do sono e catatonia .

O neurologista alemão Felix Stern, que examinou centenas de pacientes com encefalite letárgica durante a década de 1920, observou que o sintoma geralmente evoluía com o tempo dominados por sonolência ou vigília. Em casos graves, os pacientes podem entrar em um estado semelhante ao de coma.

Os pacientes também podem apresentar movimentos oculares anormais (crises oculogíricas), Parkinsonismo, fraqueza na parte superior do corpo, dores musculares, tremores, rigidez do pescoço e alterações comportamentais, incluindo psicose...

As causas da encefalite letárgica são incertas... como todas as “doenças” existentes.
O parkinsonismo pós-encefalítico foi claramente documentado como decorrente de um surto de encefalite letárgica após a pandemia de influenza de 1918.

Consequências
Muitos pacientes sobreviventes da pandemia de 1917–1926 pareciam ter uma recuperação completa e retornar às suas vidas normais. No entanto, a maioria dos sobreviventes posteriormente desenvolveu distúrbios neurológicos ou psiquiátricos, muitas vezes depois de anos ou décadas de saúde aparentemente perfeita.

Gripe “espanhola”, a catástrofe esquecida
Também conhecida como a pandemia de influenza de 1918, foi uma pandemia extraordinariamente mortal causada pelo vírus influenza A H1N1.Tirou a vida de jovens adultos saudáveis, em oposição a crianças e idosos, que geralmente sofrem mais.

Uma revisão na história avaliou que a pandemia “espanhola” adquiriu esse apelido por causa da Primeira Guerra Mundial, que estava em pleno andamento na época.

Os principais países envolvidos na guerra estavam ansiosos para evitar encorajar seus inimigos, então relatos sobre a extensão da gripe foram suprimidos na Alemanha, Áustria, França, Reino Unido e Estados Unidos.

Em contraste, a neutra Espanha não precisou manter a gripe sob sigilo. Isso criou a falsa impressão de que só a Espanha estava sofrendo o impacto da doença.

Durando de fevereiro de 1918 a abril de 1920, a pandemia de gripe infectou 500 milhões de pessoas - cerca de um terço da população mundial na época - em quatro ondas sucessivas.

A gripe se espalhou rapidamente, matando 25 milhões de pessoas apenas nos primeiros 6 meses.

Isso levou alguns a temer o fim da humanidade e por muito tempo alimentou a suposição de que a cepa da gripe era particularmente letal. No entanto, estudos mais recentes sugerem que o próprio vírus, embora mais letal do que outras cepas, não era fundamentalmente diferente daqueles que causaram epidemias em outros anos.

Grande parte da alta taxa de mortalidade pode ser atribuída à má nutrição e saneamento, que sofreram durante a guerra, estresse pós traumático da população expondo o desenvolvimento de pneumonias bacterianas em pulmões enfraquecidos.

Claude Hannoun, em 1993, principal especialista em gripe espanhola no Instituto Pasteur, afirmou que o vírus precursor provavelmente veio da China e sofreu mutação nos Estados Unidos perto de Boston e de lá se espalhou para Brest, França, campos de batalha da Europa, o resto da Europa e o resto do mundo, com soldados e marinheiros aliados como os principais disseminadores.

Evidências de arquivos falam de uma doença respiratória que atingiu o norte da China em novembro de 1917 foi identificada um ano depois pelas autoridades de saúde chinesas como idêntica à gripe espanhola.

A China pode ter experimentado uma temporada de gripe relativamente amena em 1918, No mínimo, há pouca evidência de que a China como um todo foi seriamente afetada pela gripe em comparação com outros países do mundo.

Saiba mais detalhes nesse artigo científico.
Encefalite letárgica e gripe. O papel do vírus influenza na pandemia - 1918/1919

Os tiroteios em massa nos USA aumentam os problemas de saúde mental já afetados.

Só em 2021, houve 102 tiroteios em massa, de acordo com o Gun Policy Archive, com 4.123 mortes no total devido à violência armada.

A American Psychiatric Association (APA) descreve as reações comuns após um desastre, sinais como: mudanças no sono, mudanças de humor, diminuição da energia, mudanças no apetite, problemas de concentração, dores de cabeça ou outras dores no corpo e aumento do isolamento.

A APA pesquisou adultos americanos em fevereiro 2020, e a conclusão é que desde o início da pandemia, eles tiveram alterações ​​de peso, estão bebendo mais álcool para lidar com o estresse e o sono é insatisfatório.

Onde eu quero chegar?
Você sabe que “quem” jogou esse “veneno no ar” sabe como os humanos respondem emocionalmente a um forte estresse e suas consequências. Eles têm um objetivo, uma agenda, e estão conseguindo bons resultados.

Os próximos passos virão com o tempo. Ainda teremos várias “ondas” até que o cérebro humano dos mais fracos entre em curto... A Zumbizada vai crescer em número e nos dará muito trabalho.

Laura botelho

leia também o que escrevi anos atrás



21 de mar. de 2021

Uma catástrofe iminente, um alerta avisado, mas que poucos estão cientes

O virólogo e criador de vacinas Dr. Geert Vanden Bossche lançou o aviso.

Ele trabalhou com o Bill Gates e em grandes Farmacêuticas e é muito claro sobre a Caixa de Pandora que se está a abrir, com a ajuda da ignorância dos políticos e os porta-vozes vendidos, neste processo CRIMINOSO de vacinação em massa ou melhor dizendo DESTRUIÇÃO DA IMUNIDADE em massa.

laura botelho

4 de mar. de 2021

Nostradamus previu a Zumbizada...

 

Para ano de 2021, Nostradamus escreveu:

Poucos jovens, meio mortos para começar/
Pais e mães mortos de dores infinitas/
Mulheres de luto, o monstro pestilento:/
O Grande para não mais existir, para todo o mundo acabar.
 
Depois de grandes problemas para a humanidade, um maior está preparado/
O Grande Motor renova os tempos/
Chuva, sangue, leite, fome, aço e peste/
É o fogo do céu visto, uma longa faísca em funcionamento
 
No céu, vê-se fogo e uma longa trilha de faíscas.
O parque inclinado, grande calamidade,
Através das Terras do Oeste e da Lombardia.
O incêndio no navio, peste e cativeiro;
Mercúrio em Sagitário, Saturno enfraquecendo.

Sinceramente? Não acredito que palavras fora de contexto possam nos fazer acreditar que seja algum tipo de “profecia”, mas... de uma previsão possível de consequências decorrentes de movimentos astronômicos da Terra.

Como alguém que viveu há mais de 500 anos atrás poderia “prever” grandes movimentos na sociedade como terrorismos e guerras meio século a frente?

Alguém que tenham profundo conhecimento de astronomia!

Isso porque, os ciclos dos astros são os mesmos, entra era, sai era. Sabemos quando o sol estará agitado ou mais calmo. Sabemos que a lua influencia a maré e quando isso acontece.

Sabemos também que quando a Terra atravessa determinadas zonas do espaço são mais perigosas (em termos de asteroides) e estamos mais expostos a esse bombardeamento.


Sabemos que asteroides podem ser empurrados com a luz do sol, mesmo que esse efeito da luz em rotação seja minúsculo em contraste com as forças gravitacionais que atuam nos asteroides à medida que se movem pelo sistema solar.

Mas - ao longo de muitos anos - o minúsculo efeito de impulsão da luz solar aumenta, de modo que os asteroides têm dificuldade em se manter em suas órbitas. Esse evento é chamado - efeito Yarkovsky

O que sabemos hoje ficará de alerta as gerações futuras - e esse conhecimento é tão antigo quanto a humanidade, desenhada, gravada em petróglifos, paredes de cavernas, textos, símbolos, esculturas... coisa que começamos a decifrar não muito tempo e estamos engatinhando.

Se sabemos hoje que; o que acontece fora do ambiente da Terra influencia os que estão dentro dela, logo, é fácil prever que os humanos entrarão em algum movimento conflituoso.

As grandes pestes que dizimaram populações foram desencadeadas após grandes guerras. 

Sabemos as consequências se um meteoro grande cair no nosso planeta... temos condições de “prever” o que decorrerá dessa explosão, as consequências sociais, climáticas, geológicas e biológicas na biosfera...

Nostradamus conhecedor dos movimentos celestes tinha facilmente a noção do que isso implicaria no momento que algum evento no universo poderia modificar a vida na Terra. O que talvez os antigos não conseguiriam visualizar com precisão seria em que momento tecnológico estaria a civilização naquele ciclo zodiacal. Isso muda tudo...

Fato é que: Nostradamus sabia que a Terra passaria nessa época por alguma zona no universo que poderia nos colocar em “ameaça” iminente. Talvez a visita de um velho conhecido asteroide que nos colocaria em apuros de novo = Apophis

Seja lá que “ameaça” for essa que os antigos nos alertaram, hoje ela está bem visível para nossa civilização. Não vê quem não quer. Não se mexe quem não quer. Não se orienta quem não quer. A informação está na cara, em qualquer lugar, acessível dia e noite, ano após ano...

Antigamente só um grupo de estudiosos tinha acesso ao conhecimento, pois passavam toda sua vida dentro de bibliotecas gigantescas...

As “autoridades” globais não irão alertar a humanidade caso algo nos afetasse seriamente – esquece, nunca avisarão. Nos filmes de catástrofes eles deixam bem claro: não alerte a população! Reveja todos os filmes, a desgraça começa dentro dos escritórios governamentais na busca de “salvar” apenas os mais importantes para uma nova civilização.

O que “eles” estão fazendo com os mais atentos é deixando pistas – migalhas de pão – pela WEB.

Eu estou aqui para catar essas migalhas e te dar em mãos, basta me acompanhar aqui ou nas redes sociais – facebook ou twitter. Eu tenho sempre uma “migalha” para te orientar.

Vou dar uma das “migalhas” deixadas pelo CENTROS DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS – CDC no ano de 2011.

Eles começam explicando porque abriram um texto com título sobre Zumbis...

“Pergunto-me por que zumbis, apocalipse zumbi e preparação para zumbis continuam a viver ou caminhar mortos em um site do CDC? Acontece que o que começou como uma campanha irônica para envolver novos públicos com mensagens de preparação provou ser uma plataforma muito eficaz. Continuamos a alcançar e envolver uma ampla variedade de públicos na preparação para todos os perigos por meio da “preparação para zumbis”.

Pensa. O que faz todo sentido. Nada como chamar atenção de muita gente com um título como esse... e o CDC abre um link falando sobre em 2011

Preparação101 – apocalipse Zumbi

Existem todos os tipos de emergências para as quais podemos nos preparar. Pegue um apocalipse zumbi, por exemplo. Isso mesmo, eu disse apocalipse zumbi. Você pode rir agora, mas quando acontecer, ficará feliz em ler isso e, ei, talvez você até aprenda uma ou duas coisas sobre como se preparar para uma emergência real.

Em filmes, programas e literatura, os zumbis são frequentemente descritos como sendo criados por um vírus infeccioso, que é transmitido por meio de mordidas e contato com fluidos corporais.

Suprimentos de emergência para desastres ou blecaute

Alguns dos suprimentos para o seu kit de emergência. Melhor prevenir do que remediar

Então, o que você precisa fazer antes que zumbis ... ou furacões ou pandemias, por exemplo, realmente aconteçam?

Em primeiro lugar, você deve ter um kit de emergência em casa. Isso inclui coisas como água, comida e outros suprimentos para ajudá-lo nos primeiros dias antes de localizar um campo de refugiados livre de zumbis (ou no caso de um desastre natural, isso vai lhe dar algum tempo até que seja capaz para fazer o seu caminho para um abrigo de evacuação ou as linhas de serviços públicos são restauradas). Abaixo estão alguns itens que você deve incluir em seu kit. 

Para obter uma lista completa, visite a página de Emergência do CDC.

  • Água (1 galão por pessoa por dia)
  • Alimentos (estoque de itens não perecíveis que você come regularmente)
  • Medicamentos (isso inclui medicamentos prescritos e não prescritos)
  • Ferramentas e suprimentos (canivete, fita adesiva, rádio a bateria, etc.)
  • Saneamento e higiene (alvejante doméstico, sabonete, toalhas, etc.)
  • Roupas e roupa de cama (uma muda de roupa para cada membro da família e cobertores)
  • Documentos importantes (cópias de sua carteira de motorista, passaporte e certidão de nascimento, para citar alguns)
  • Suprimentos de primeiros socorros (embora você seja um caso perdido se um zumbi te morder, você pode usar esses suprimentos para tratar cortes básicos e lacerações que podem ocorrer durante um tornado ou furacão)

Depois de fazer seu kit de emergência, você deve se sentar com sua família e propor um plano de emergência. Isso inclui para onde você iria e para quem ligaria se zumbis começassem a aparecer na sua porta. Você também pode implementar este plano se houver uma enchente, terremoto ou outra emergência.

Você deve escolher dois locais de encontro, um perto de sua casa e mais longe

Identifique também um contato fora do estado para o qual você possa ligar durante uma emergência para avisar o resto de sua família que você está bem.

Planeje sua rota de evacuação.

Quando os zumbis estão com fome, eles não param até que consigam comida (ou seja, cérebros), o que significa que você precisa sair da cidade rápido!

Para saber mais sobre o que o CDC faz para se preparar e responder a emergências de todos os tipos, visite: https://www.cdc.gov/cpr/zombie/index.htm


Será que você captou a mensagem? Eles fizeram o povo “se preparar” para algo “bizarro” – seja ele qual for.

O Zumbi entra aí como “pessoas desavisadas/desesperadas” – gente que não têm a menor ideia do que está acontecendo, do que pode acontecer e o que poderá fazer para se salvar!!

esses pontos azuis são satélites - tecnologia orbital

Como eu sempre digo, a Zumbizada vai querer comer seu fígado quando a comida acabar, vai querer beber seu sangue quando a água acabar, independente se o ser vivo em questão tenha de 0 a 110 anos de idade eles não terão dó.

A Zumbizada vai saquear, vai matar, aprisionar, atropelar, destroçar qualquer coisa viva para saciar sua existência!!

Eu escrevi livros sobre esse dia... meus livros apresentam todas as possibilidades para uma passagem tranquila.

Laura botelho

 

 

Habilidades de sobrevivência para crianças e adultos

Habilidades de sobrevivência para crianças e adultos
click na imagem para saber mais

Vulcões ativos