24 de mar. de 2021

Pandemia do Sono (encefalite letárgica) afetou milhões...


No inverno de 1916-1917, uma "nova" doença apareceu repentinamente em Viena/Itália e em outras cidades, e rapidamente se espalhou pelo mundo nos 3 anos seguintes.

Entre 1915 e 1926, ocorreu uma pandemia de encefalite letárgica mundial, afetando cerca de 5 milhões de pessoas e matando cerca de 1,6 milhão de pessoas.
Descrita pela primeira vez pelo neurologista Constantin von Economo e o patologista Jean-René Cruchet, essa doença atacava o cérebro, deixando algumas vítimas em estado de estátua, sem palavras e sem movimento.

O número de infectados durante os 10 anos da pandemia é incerto. 
Relatórios anteriores apareceram em toda a Europa já no inverno de 1915-1916, mas a comunicação sobre a doença era lenta e caótica, dada a manifestação variada de sintomas e dificuldades de disseminação de informações em tempo de guerra.

A encefalite letárgica assumiu sua forma mais virulenta entre outubro de 1918 e janeiro de 1919. A grande pandemia de encefalite coincidiu com a pandemia de influenza de 1918.

Os sobreviveram nunca retornaram ao seu vigor - Eles estariam conscientes e atentos - mas não totalmente despertos.

Ficavam sentados imóveis e mudos o dia todo em suas cadeiras, totalmente sem energia, ímpeto, iniciativa, motivo, apetite, afeto ou desejo, profunda indiferença ao ambiente. Eram fantasmas, passivos como zumbis.

A pandemia do sono desapareceu tão abrupta e misteriosamente quanto apareceu pela primeira vez.

Denominada como encefalite letárgica, tinha como primeiros sintomas febre alta, dor de garganta, dor de cabeça , letargia , visão dupla , resposta física e mental retardada, inversão do sono e catatonia .

O neurologista alemão Felix Stern, que examinou centenas de pacientes com encefalite letárgica durante a década de 1920, observou que o sintoma geralmente evoluía com o tempo dominados por sonolência ou vigília. Em casos graves, os pacientes podem entrar em um estado semelhante ao de coma.

Os pacientes também podem apresentar movimentos oculares anormais (crises oculogíricas), Parkinsonismo, fraqueza na parte superior do corpo, dores musculares, tremores, rigidez do pescoço e alterações comportamentais, incluindo psicose...

As causas da encefalite letárgica são incertas... como todas as “doenças” existentes.
O parkinsonismo pós-encefalítico foi claramente documentado como decorrente de um surto de encefalite letárgica após a pandemia de influenza de 1918.

Consequências
Muitos pacientes sobreviventes da pandemia de 1917–1926 pareciam ter uma recuperação completa e retornar às suas vidas normais. No entanto, a maioria dos sobreviventes posteriormente desenvolveu distúrbios neurológicos ou psiquiátricos, muitas vezes depois de anos ou décadas de saúde aparentemente perfeita.

Gripe “espanhola”, a catástrofe esquecida
Também conhecida como a pandemia de influenza de 1918, foi uma pandemia extraordinariamente mortal causada pelo vírus influenza A H1N1.Tirou a vida de jovens adultos saudáveis, em oposição a crianças e idosos, que geralmente sofrem mais.

Uma revisão na história avaliou que a pandemia “espanhola” adquiriu esse apelido por causa da Primeira Guerra Mundial, que estava em pleno andamento na época.

Os principais países envolvidos na guerra estavam ansiosos para evitar encorajar seus inimigos, então relatos sobre a extensão da gripe foram suprimidos na Alemanha, Áustria, França, Reino Unido e Estados Unidos.

Em contraste, a neutra Espanha não precisou manter a gripe sob sigilo. Isso criou a falsa impressão de que só a Espanha estava sofrendo o impacto da doença.

Durando de fevereiro de 1918 a abril de 1920, a pandemia de gripe infectou 500 milhões de pessoas - cerca de um terço da população mundial na época - em quatro ondas sucessivas.

A gripe se espalhou rapidamente, matando 25 milhões de pessoas apenas nos primeiros 6 meses.

Isso levou alguns a temer o fim da humanidade e por muito tempo alimentou a suposição de que a cepa da gripe era particularmente letal. No entanto, estudos mais recentes sugerem que o próprio vírus, embora mais letal do que outras cepas, não era fundamentalmente diferente daqueles que causaram epidemias em outros anos.

Grande parte da alta taxa de mortalidade pode ser atribuída à má nutrição e saneamento, que sofreram durante a guerra, estresse pós traumático da população expondo o desenvolvimento de pneumonias bacterianas em pulmões enfraquecidos.

Claude Hannoun, em 1993, principal especialista em gripe espanhola no Instituto Pasteur, afirmou que o vírus precursor provavelmente veio da China e sofreu mutação nos Estados Unidos perto de Boston e de lá se espalhou para Brest, França, campos de batalha da Europa, o resto da Europa e o resto do mundo, com soldados e marinheiros aliados como os principais disseminadores.

Evidências de arquivos falam de uma doença respiratória que atingiu o norte da China em novembro de 1917 foi identificada um ano depois pelas autoridades de saúde chinesas como idêntica à gripe espanhola.

A China pode ter experimentado uma temporada de gripe relativamente amena em 1918, No mínimo, há pouca evidência de que a China como um todo foi seriamente afetada pela gripe em comparação com outros países do mundo.

Saiba mais detalhes nesse artigo científico.
Encefalite letárgica e gripe. O papel do vírus influenza na pandemia - 1918/1919

Os tiroteios em massa nos USA aumentam os problemas de saúde mental já afetados.

Só em 2021, houve 102 tiroteios em massa, de acordo com o Gun Policy Archive, com 4.123 mortes no total devido à violência armada.

A American Psychiatric Association (APA) descreve as reações comuns após um desastre, sinais como: mudanças no sono, mudanças de humor, diminuição da energia, mudanças no apetite, problemas de concentração, dores de cabeça ou outras dores no corpo e aumento do isolamento.

A APA pesquisou adultos americanos em fevereiro 2020, e a conclusão é que desde o início da pandemia, eles tiveram alterações ​​de peso, estão bebendo mais álcool para lidar com o estresse e o sono é insatisfatório.

Onde eu quero chegar?
Você sabe que “quem” jogou esse “veneno no ar” sabe como os humanos respondem emocionalmente a um forte estresse e suas consequências. Eles têm um objetivo, uma agenda, e estão conseguindo bons resultados.

Os próximos passos virão com o tempo. Ainda teremos várias “ondas” até que o cérebro humano dos mais fracos entre em curto... A Zumbizada vai crescer em número e nos dará muito trabalho.

Laura botelho

leia também o que escrevi anos atrás



Habilidades de sobrevivência para crianças e adultos

Habilidades de sobrevivência para crianças e adultos
click na imagem para saber mais

Vulcões ativos