Google

Translate my page Google

16 de set de 2012

Deadline para o fim dos tempos?



A palavra outono vem do Frances antigo autompne que mais tarde foi normalizado ao original latino para a palavra autumnus. Antes do século 16, a palavra “Outono” ou autumn referia-se a colheita

No entanto, gradualmente as pessoas deixaram de trabalhar a terra para viver em cidades (especialmente aqueles que sabiam ler e escrever, as únicas pessoas cuja utilização da linguagem que hoje conhecemos), e a palavra colheita perdeu sua referência ao campo, à atividade real de colher o que foi plantado.

Durante o século 17, com a emigração Inglesa para as colônias britânicas na América do Norte, novos colonos tomaram o idioma Inglês para a palavra alternativa (Fall) “queda”, "cair de uma altura" para designar a estação.

A expressão “fall” tem suas origens em antigas línguas germânicas, nórdicas, mas que não faz muito sentido com o outono (colheita) a não ser a associação com as folhas das arvores ao chão...

Sempre que temos “século 17” + “nórdicos” no pedaço, a coisa ganha outro sentido...

O "Outono austral" tem início, no hemisfério sul, a 20 de Março e termina a 20 ou 21 de Junho.
O "Outono boreal" tem início, no hemisfério norte a 22 ou 23 de Setembro e termina a 21 ou 22 de Dezembro.

Um professor da Universidade de British Columbia (que eu não consegui identificar seu nome) publicou um artigo on-line em 2010 no qual projetava, com dados bem significativos, um impacto de um asteroide com 800 metros de diâmetro, que segundo o professor, possivelmente atingiria as terras da Antártida no outono de 2012. 

Seu artigo foi publicado no site Canadense www.phas.ubc.ca por 2 dias, mas “misteriosamente” foi tirado do ar, sumiu, escafedeu.

Segundo quem leu, o estudo preliminar sobre essa afirmação, foi recolhido através de um balão com grande abertura por um Telescópio Sub milímetros (BLAST) na Estação McMurdo, na Antártida. 

O asteroide observado foi então seguido pelos Telescope em Mauna Kea por Canadá-França-Havaí, que fornecia provavelmente as imagens mais nítidas atualmente obtidas a partir do solo.


O fato é que:
Uma semana após o artigo evaporar da WEB, astronautas canadenses e americanos clamaram ao mundo a necessidade da preparação para um grande impacto de um asteroide que poderia “um dia” devastar a Terra.

Chris Hadfield é um veterano astronauta canadense, presidente da Associação de Exploradores Espaciais, que preparou um relatório detalhado sobre a ameaça de asteroides, e comenta que esse asteroide que ainda não está visível, possa estar ofuscado pela luz do sol.

O artigo do tal professor Canadense calcula uma probabilidade de 94% de esse asteroide impactar sobre a plataforma de gelo Filchner-Ronne causando um evento sem precedentes, um desmoronamento de 2/3 de gelo na Antártida lançados ao mar. E se esse  gelo for adicionado ao oceano, fatalmente ocorreria o aumento do nível dos oceanos em 70 metros.

O artigo supõe o colapso total do gelo da Antártida que ocorreria possivelmente dentro de 2 - 4 meses após esse impacto. Os efeitos exatos de qualquer impacto variam bastante dependendo da composição do asteroide, localização e ângulo do impacto.

Chris Hadfield
Estimativas da NASA sobre a energia gerada de uma possível colisão hipotética no futuro do asteroide Apophis com 350 metros de diâmetros equivaleria a 880 megatons. 

O impacto do asteroide que criou a Cratera de Barringer ou causou o evento de Tunguska foram estimados entre 3 –10 megatons. A erupção de 1883 do Krakatoa foi equivalente a quase 200 megatons.

Donald Yeomans gerente do Programa da Nasa que monitora asteroides potencialmente perigosos e cometas dentro de um circulo  de 28 milhões de quilômetros da Terra, nos conta que cerca de 50 milhões de objetos do espaço passam perto da Terra a cada dia.

"Coisas como estas acontecem todos os dias e o que nós simplesmente não sabemos é porque não temos telescópios grandes o suficiente para encontrá-los ou pesquisas que estejam à procura em tempo integral"

“A tecnologia existe para ajustar caminho de um objeto, dirigindo um dispositivo explosivo para que ele desvie sua trajetória, assim como a nave espacial Deep Impact fugiu do Templo Comet em 4 de julho de 2005. Se você tem avisos de vários anos, você pode fazê-lo apenas cutucando milímetros para mudar seu caminho”

Os primeiros asteroides foram observados no princípio do século dezenove.
Enquanto um cometa é uma bola de gases congelados, um asteroide é uma grande pedra espacial. Também é uma "sobra" de atritos constantes do processo de formação dos planetas rochosos, como Terra e Marte.

Com formato irregular, a maioria dos asteroides tem cerca de 1 km de diâmetro, mas alguns podem chegar a centenas de quilômetros. Muitos destes corpos celestes orbitam o Sol numa região situada entre as órbitas de Marte e Júpiter, denominada Cinturão de Asteroides.

Na sua órbita elíptica em torno do Sol um asteroide pode, ocasionalmente, passar suficientemente perto de um planeta e isso pode ocasionar uma interação gravídica que altera a sua órbita e o atire para outra região do Sistema Solar. Esse evento gera uma nova órbita que o coloca na rota de colisão de um planeta, como a Terra, por exemplo.

Há inúmeras teorias de que colisões de asteroides no passado deram ignição para mudanças dramáticas na ecologia da Terra e de outros planetas.

Desaparecimento total e novas formas de vida são gerados a cada ciclo devido a essas mudanças de padrões no ambiente, não necessariamente causadas pelo impacto em si, mas pela rápida e brusca mudança das condições climáticas que não deixam tempo para novas percepções e adaptabilidade dos seres vivos a novas maneiras de existir ocasionando facilmente a extinção em massa.

Asteroide - do grego antigo “Aster “ =  estrela  + “eidos = forma
Estrela = Aster = Ester = Asthar

Muita “coincidência”?

Bom, escrevi esse texto rapidamente para pedir que fiquem alertas a esse tipo de noticia na mídia. A todo o momento há asteroides por aí, mas se esse for realmente ameaçador, não há como esconde-lo por muito tempo. Uma hora ele terá que ser noticiado.

Se você souber de algo mais, nos conte.

laura botelho

meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos