Google

Translate my page Google

4 de out de 2016

Outra Guerra Mundial, um evento iminente

A morte não é nada para nós, pois,
quando existimos, não existe a morte,
e quando existe a morte,
não existimos mais.
Epicuro

O Serviço de Inteligência canadense publicou um impressionante diagnóstico de potenciais riscos e ameaças a seus cidadãos para até o ano de 2018 e acredito que sirva a nós também.

Trago esse assunto tão importante aqui, não com intuito de te assustar, de causar mal estar e medo, mas, e tão somente, de alertá-lo com informações que nos são sonegadas dia a dia.

Quem tem CONHECIMENTO tem PODER – poder de mudar sua vida, suas metas, mudar seu destino. Tem poder de fazer ESCOLHAS assertivas para sua evolução.

Quando não temos informação, conhecimento de alguns fatos do dia a dia nos tornamos presas fáceis para os CONTROLADORES do TEMPO. E tudo que “eles” não querem é que saibamos sobre os movimentos das pedras, da próxima jogada, dos traçados da agenda dos deuses.



É sabido desde os primórdios da humanidade que os deuses nos controlam como gado, um rebanho de ovelhas e delegam alguns pastores humanos para levar e dirigir a massa humana para onde precisam. Fazem isso com tal orquestração e facilidade que muitos custam a crer que isso possa ser possível.

Mas acredite, é fácil, é possível, é visível, porém a massa não QUER VER, não deseja CRER nessa hipótese, pois está confiante que SEU DEUS poderá mudar seu destino... E vai! E infelizmente com SEU CONSENTIMENTO.

Abaixo ofereço um resumo simplista do documento Canadense, onde destaquei partes mais relevantes do estudo e o diagnóstico para seu futuro. Como não estamos sozinhos nesse planeta - estamos todos ligados uns aos outros - esses relatos nos ajudam também a nos preparar para o que virá pela frente...

Um olhar sobre 2018
O programa correu numa iniciativa de encomendar a 5 pensadores globais - a partir de setembro de 2015 a maio de 2016 – a explorar os mecanismos que influenciam os principais riscos de segurança e ameaças potenciais relacionadas com as regiões específicas do mundo e temas até o ano de 2018.

O resultado deste relatório é uma análise de uma ampla gama de desafios relacionados com a China, o Oriente Médio, Rússia, armas de destruição em massa e de Ciber Segurança, que oferecem uma dinâmica que pode influenciar um futuro próximo global. Esse estudo não está muito longe no futuro, de modo a tornar-se excessivamente abstrato, portanto merece nossa atenção.

Visão global
  • Ao longo dos próximos dois anos, existe um perigoso e elevado potencial de instabilidade global.
  • Tanto a China e a Rússia têm líderes com agendas de políticas externas agressivas, capazes de gerar confrontos diplomáticos e militares
  • Conflitos no Iraque, Síria, Líbia e Iêmen vão continuar. 
  • Vários grupos de milícias complicam as tentativas de acabar com a violência nesses países, enquanto filiais do Estado Islâmico no Iraque e do Levante (ISIL) e Al-Qaeda espalham insurgência e terrorismo ataques em todo o Oriente Médio, África, Ásia e cidades na Europa
  • Coréia do Norte como um desenvolvedor de armas nucleares e mísseis balísticos continua a ser um país de grande preocupação. 
  • Potências nucleares Índia e Paquistão, ambos, continuam a ter uma relação de confronto. Apesar do desafio, eles provavelmente tentarão usar "bombas sujas" (químicas).
  • O potencial de uma força estrategicamente destrutiva é alta para a tecnologia Internet - mesmo dentro dos próximos dois anos. 
  • A política externa dos EUA continua a ter muita influência sobre o comportamento dos países do Oriente Médio e Ásia. Portanto, a política externa do eleito a presidência em novembro de 2016 será um dos principais determinantes da dinâmica internacional ao longo dos próximos 2 anos.
China em uma encruzilhada
Presidente Xi Jinping afirmou a importância de um líder supremo, visionário. Ele agora está empenhado em criar um culto de liderança pessoal que não pode ser facilmente revertida. 

As ligações entre as políticas chinesas, reações regionais e intenções dos EUA, aumentam o potencial de conflito, possivelmente estimulada por uma decisão do Tribunal Internacional na disputa do Mar do Sul da China

Oriente Médio
A instabilidade no Oriente Médio tem sido impulsionada pela questão não resolvida do papel da religião na vida pública. O comando ISIL tomou território, declarou o estabelecimento de um califado, e instituiu as suas próprias estruturas de governança. 

A noção do califado é muito popular para muitos dentro do mundo muçulmano. Seja qual for o seu destino final, o califado ISIL vai servir como um modelo para futuras milícias extremistas que acreditam que podem assumir o controle do território e estabelecer uma estrutura de governança. 
Ameaças cibernéticas
Cyber-insegurança continuará a ser uma grande ameaça para os Estados, empresas do setor privado e indivíduos

A alta taxa de inovação tecnológica, o domínio de, off-the-shelf software comercial, e à crescente proliferação de entidades com software embutido e imutável significa que o potencial de ciber-ataque ficará à frente das capacidades de defesa.

Interdependência baseada em redes ligadas faz com que importantes sistemas altamente vulneráveis ​​ao colapso rápido e catastrófico requererão uma fase de reparação prolongada

Considerado do ponto de vista dos temas abordados nesta revisão, o período 2016 - 2018 devem ser avaliados como riscos significativos de acontecimentos desestabilizadores e aumento da tensão internacional.



O presente e futuro do islamismo político
A repartição do Oriente Médio não começou em 2011.
Desde 1924, quando o califado otomano foi formalmente abolido, tem havido um esforço para estabelecer uma ordem política legítima no Oriente Médio. 

Quanto é que a religião importa?
Em um comunicado em setembro de 2014, o porta-voz do ISIL Abu Mohamed al-Adnani expôs uma vantagem inerente do grupo:

"Ser morto (...) é uma vitória", disse ele. "Uma luta de um povo que nunca pode ser derrotado. Queremos vitória ganhando ou morrendo". “... muitos aderem ao movimento para que eles possam entrar no céu".

Seria um erro, então, ver os movimentos islâmicos tradicionais como partidos políticos tradicionais. Muçulmanos e afiliados da Fraternidade não estão apenas agindo para este mundo, mas também para o próximo

Cada irmão é parte de uma "família", que consiste geralmente de 5 a 10 membros que se reúnem semanalmente para ler e discutir textos religiosos. Sendo uma parte da Irmandade, ajudá-los a obedecer a Deus, os tornam melhores muçulmanos, aumentam as probabilidades de entrar no paraíso e da salvação eterna

Isso não significa que os membros não se preocupam com a política; em vez disso, eles podem ver a ação como política concorrendo a uma vaga no conselho municipal ou aderir a um protesto, como massa, outra maneira de servir a Deus.

Claro, a esmagadora maioria dos muçulmanos não compartilha dessa interpretação rígida do ISIL de religião, mas essa não é a questão mais relevante - ISIL têm uma ampla ressonância entre as populações de maioria muçulmana. 

Eles podem não concordar com a interpretação de ISIL do califado, mas a noção de  um califado é poderosa, mesmo entre os muçulmanos menos radicais.

Uma das poucas pesquisas sobre atitudes em relação a um califado (bem antes do surgimento do ISIL) descobriu que uma média de 65% dos entrevistados no Egito, Marrocos, Paquistão e Indonésia concordaram com o objetivo de "unificar todos os países islâmicos em um único Estado islâmico ou califado".

Os contratos futuros da Rússia para 2018
O Pessimismo caracteriza grande análise de futuros da Rússia. 
Um relatório proeminente sugere que a Rússia enfrenta "crescentes dificuldades internas, incluindo um enfraquecimento da economia e um clima político que sufoca a empresa e a sociedade". 

Tais problemas, o relatório continuou, "pôe em perigo a segurança na Europa e estabilidade na Rússia". Reformas necessárias enfrentam "obstáculos políticos assustadores", enquanto que as influências que arrastam a economia russa em recessão são "estrutural, conjuntural e geopolítica" e "pressões do mercado e de conflitos externos representam desafios adicionais de duração incerta". 

Sergei Karaganov é um  cientista político russo que dirige o Conselho de Política Externa e de Defesa, uma instituição analítica de segurança fundada por Vitaly Shlykov. Ele também é o decano da Faculdade de Economia Mundial e Relações Internacionais de Moscou e Escola Superior de Economia. Foi colaborador próximo de Yevgeny Primakov e tem sido Conselheiro Presidencial para Boris Yeltsin e Vladimir Putin.

Karaganov sugere que; a "guerra é de todos contra todos" no Oriente Médio. Além disso, a forte escalada do conflito entre a Rússia e o Ocidente levou ao aumento da possibilidade de uma guerra em que alguns dizem que é inevitável e o ressurgimento da questão nuclear.

A demografia da Rússia é outro tema frequentemente central para a análise de futuros. O declínio populacional acentuado desde os anos 1980, combinado com baixa fertilidade e envelhecimento da população, tem ramificações negativas a longo prazo, para a economia e militar, e, dada a maiores taxas de fertilidade entre a população muçulmana da Rússia, a mistura étnica da sociedade russa. 

A Rússia tem uma alta taxa de emigração, que também é a segunda maior nação de imigração. Cerca de 300.000 imigrantes chegam na Rússia a cada ano, em média, cerca de 50% dos quais são russos étnicos. 

Da mesma forma, a ameaça do terrorismo na Rússia, tanto no Cáucaso do Norte e jihadismo internacional, é substancial. Mas o governo russo tem implementado robustas medidas de aplicação da lei contra o terrorismo durante a última década e despejou dinheiro em tentativas para resolver o problema.

Um mundo instável
China é outra prioridade e a liderança russa tem mais de uma década procurando melhorar a sua relação com seu vizinho do leste. Isso resultou em uma relação econômica e de segurança ambígua, porém florescente, com grandes ofertas de energia e armas sendo assinadas. 

Há um amplo consenso entre observadores especialistas e funcionários quanto ao fato de que o mundo está entrando em um período de considerável turbulência e insegurança, em parte como resultado de ambas as operações ocidentais de mudança de regime, e em parte como consequência do aumento da concorrência entre os Estados que pode resultar na deflagração de uma guerra. 

Desde 2010, a liderança destinou 20 trilhões de rublos (cerca de US $ 640 bilhões pelo câmbio 2010) para a modernização das forças armadas russas até 2020.

Os planos preveem meio milhão de militares e que 70% das armas das forças armadas sejam modernas. Isso inclui a aquisição de 400 mísseis intercontinentais e submarinos lançadores de balísticos, 20 submarinos de ataque, 50 navios de superfície de combate, 700 aviões de combate modernos, e tanques de mais de 2.000 e 2.000 canhões autopropulsados ​​e monitorados. 
  
Armas de Destruição em massa
Em agosto de 1948, uma comissão da ONU deu ao termo acima uma definição mais específica e técnica:

"armas explosivas atômicas, armas materiais radioativos, químicos letais e armas biológicas, e todas as outras armas desenvolvidas no futuro que têm características comparáveis com efeito destrutivo aos do bomba atômica ou outras armas mencionadas acima ".

A situação atual e situação prevista para 2018 no que diz respeito à proliferação não devem ser exageradas. Em termos de capacidades adquiridas, os nomes que aparecem na maioria das vezes em fontes abertas são, em ordem alfabética, China, Egito, Índia, Israel, Coreia do Norte, Paquistão, Rússia e Síria. 

Entre agora e 2018, os países que justificam uma vigilância especial (aquisição, transferência ou utilização) será a Arábia Saudita, China, Coréia do Norte, Irão, Paquistão e Rússia.

A Arábia Saudita é sem dúvida o estado de maior preocupação. 
É o único país hoje, que parece ter a motivação, os meios financeiros e as relações bilaterais adequadas (com a China e Paquistão) para modernizar seus sistemas balísticos e adquirir, dentro de um tempo relativamente curto, a base tecnológica necessária para contemplar um programa nuclear militar.

Armas de Destruição em Massa
O desejo de adquirir ADM continuará a depender de:
·         Equilíbrios de poder regional; 
·         Intervenção militar, particularmente a partir de potências ocidentais; 
·         E se regimes são democracias liberais ou autoritárias. 
·         A Percepção do novo presidente dos Estados Unidos será um fator importante.

Arábia Saudita, China, Coréia do Norte, Irão, Paquistão e Rússia são os países de alto risco para aquisição, transferência ou uso de armas de destruição maciça, enquanto a Rússia e Coréia do Norte são potenciais exportadores de mísseis balísticos. A Coréia do Norte continua a ser o país mais imprevisível, com uma potencial capacidade de armas nucleares

A tensão entre a Índia e o Paquistão representa o maior perigo de um confronto direto entre Estados com armas nucleares. Alguns atores não estatais podem utilizar drones para implantar suas armas de destruição maciça. ISIL já tem capacidades químicas

A Coréia do Norte, que em 2018 terá adquirido a capacidade para caber armas nucleares para mísseis de médio alcance (e talvez também em mísseis intercontinentais básicos), continuará a ser uma grande preocupação, dado tendências de Pyongyang para provocações perigosas. 

O risco de que as armas biológicas poderão ser utilizadas em um conflito é extremamente limitado, devido à falta de valor operacional e a pouca precedente, no entanto, a probabilidade de utilização por um grupo não-estado é mais elevada. Isso pode incluir não só os grupos religiosamente motivados, mas também quaisquer outras organizações milenares ou apocalípticas. 

Em todos os cenários, as armas nucleares devem receber atenção especial: eles são a única arma que pode ter um efeito de massa em ambas as estruturas físicas (explosão e efeitos térmicos) e a biosfera (os efeitos acima referidos e radiação ionizante).

Durante os últimos dois anos, a situação geopolítica entre duas grandes potências do mundo agravou ainda mais nas relações EUA-Rússia - parece muito com inicio de uma guerra fria. 

Guerra entre a Rússia e os Estados Unidos
Tanto a Rússia e os EUA são potências nucleares. As duas potências são igualmente capazes de limpar a civilização humana sobre a face da Terra.

Termina aqui a minha análise resumida do documento Canadense.
Espero que você mesmo leia
o conteúdo e faça a sua interpretação dos fatos.

Curiosamente, clarividentes notáveis russos como Pavel Globa, Baba Vanga prevêem que a Rússia se tornará a nação mais poderosa do mundo no próximo período da história. Videntes acreditam que o conflito na Ucrânia vai ser esgotado em 2016 e o Sudeste do país se tornará uma parte da Federação Russa. 

O coronel-general Leonid Ivashov, presidente do Centro Internacional de análise geopolítica da Rússia, estimou a atual situação para Pravda.Ru. 

Como é que vamos responder? A Rússia está pronta para fornecer uma resposta com meios políticos e diplomáticos, assim como os militares”.

Por que os EUA não defendem a Europa a partir do fluxo de terroristas, migrantes, refugiados? Pelo contrário, eles provocam todos estes processos."

"A OTAN não é uma ferramenta de segurança para as nações européias. É ferramenta de agressão, o avanço para os mercados, especialmente os hidrocarbonetos, das corporações americanas e transnacionais

E por que estes atos terroristas acontecem na França, e em especial na Bélgica? Uma das razões é porque a polícia nacional é a certeza de que a OTAN é o principal defensor do terrorismo. E eles mantêm tudo com mentiras. Ainda não está claro quem está por trás desses atos de terror. Para quem é rentável manter o controle da Europa? Os norte-americanos", Leonid Ivashov concluiu.

A crise migratória na Europa ou crise de refugiados, aparentemente deu inicio em 2015, (guerra na Síria começou em 2010), quando um número crescente de refugiados e migrantes  se dirigiu em direção União Européia (UE) para buscar asilo e para melhor padrão de vida.

As três principais nacionalidades dos mais de um milhão de chegadas pelo Mar Mediterrâneo entre Janeiro de 2015 e março 2016 foram síria (46,7%), Afeganistão (20,9%) e do Iraque (9,4%). 

Dos refugiados e migrantes que chegaram à Europa em 2015 pelo mar, 58% eram homens, 17% mulheres e 25% criança.

Os naufrágios ocorreram num contexto de conflitos em curso e crises de refugiados em vários países asiáticos e africanos, o que aumentou o número total de forçar as pessoas a se deslocarem em todo o mundo no final de 2014 para quase 60 milhões, o nível mais alto desde a Segunda Guerra Mundial. 

Acompanhando o andar da carruagem... podemos ver que o relatório Canadense visualizou algum cenário iminente que precisamos ficar atentos.


O Ministério da Rússia de Emergências organiza um exercício de defesa civil, em toda a Rússia (a partir de hoje) 04 de outubro até 07 de outubro de 2016.

Mais de 40 milhões de pessoas, mais de 200.000 especialistas de unidades de resgate e recuperação, bem como mais de 50.000 unidades de equipamentos estarão envolvidos.

Governo alemão fez apelo aos seus cidadãos que estoquem água e comida por no mínimo 10 dias. Por quê? Adivinha.

É curioso observar que os movimentos da primeira e segunda grande guerra foram gerados na Alemanha. Será que estamos vivenciando uma Guerra Fria que está em ponto de ebulição?

Já sabe. Fica esperto, se oriente, investigue as notícias, não deixe passar nada. Eu ficarei daqui postando o que está acontecendo nos quatro cantos do planeta, mas não posso fazer isso sozinha. Todos juntos e atentos a informação têm mais poder de escolhas.

laura botelho

Veja nesse video o que esse Alemão casado com uma brasileira nos fala diretamente seu país sobre essa questão do seu Governo aconselhar estocar comida e água.

meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos