Google

Translate my page Google

22 de jun de 2012

Assim na Terra como no céu


“Planejar é fazer um esboço ou esquema que representa uma idéia,
uma ação ou uma série de ações que,ao mesmo tempo,
servem como guia para sua realização.
Planejar é antecipar ou representar algo
que virá a ser realizado; é prever uma ação antes de realizá-la.”
(Sacristán, in: Hentschke e Del Ben, 2003, p. 177).


Fiquei de dar um feedback sobre o que falei no meu Workshop que realizei em Serra Negra – SP -  no dia 16/06/2012 sobre “O impacto das CMEs sobre a vida na Terra”

Tirei essa ideia de um workshop sobre esse tema (tempestades solares/clima espacial) que foi realizado em 19 de outubro de 2007 pela NASA com alguns setores importantes da sociedade americana para alerta-los sobre o que deveriam esperar caso a Terra fosse bombardeada por tempestades solares de intensidade X.

Foi excelente o encontro e reforçou mais o meu pensamento na direção de focar novos eventos com assuntos sobre a mente humana e como ela reage a todo tipo de mudança do ambiente.

Percebo que é um tema que abre muitos links e se a gente quer (literamente) “evoluir em conhecimento”, nada melhor do que conhecendo a nós mesmos antes de conhecer o universo a que estamos inseridos.

Decide aumentar nesse texto mais informação além das que passei naquele dia. Nem tudo o que vou expor aqui foi exposto no workshop, mas quem foi ao evento irá relacionar os pontos facilmente com o que falei lá aumentando seu poder de percepção.

Iniciei o evento mostrando como percebemos o “mundo”. Tanto o mundo interno, quanto o mundo externo.

Conhecendo o “nosso mundo” pessoal

O objetivo do cérebro, como máquina orgânica altamente eficiente, é criar associação neurológica para que tenhamos acesso mais rapidamente às áreas que mais usamos, assim, se usarmos frequentemente uma área específica constantemente do cérebro, este não nos questiona, entra no automático, apenas se torna mais e mais eficiente em objetivar tudo que estiver no foco de nossa atenção. Um script (programa) para ser executável.

Se o seu tema/script é “reclamar de tudo” ele programará com eficiência para que você se torne o “Mestre de reclamações”. Você será tão bom em reclamar da vida, e ter assunto para debates sobre esse tema, que nem irá notar esse dom, até que alguém quebre esse padrão lhe apontando como você está focado nisso.

A vantagem é que o cérebro responde imediatamente a novos comandos, a um novo pensamento e palavras. Uma simples pergunta quebra o padrão e o faz reformular todo o modelo, e novas áreas do cérebro serão ativadas acionando campos que não são muito usados. Mas... só se manterá como um novo padrão se esse for o desejo consciente do individuo de mudar, caso contrário, o script antigo permanece.

Meus trabalhos têm como meta fritar os seus miolos


Quebrar um padrão é mudar a percepção daquilo que você não tem ciência do que está fazendo/pensando – e somente interrompendo o script é que podemos reescrever novos temas, reprogramar uma nova vida, uma nova maneira de ver o mesmo ambiente.

Descobertas indicam basicamente que cada um dos hemisférios do cérebro - esquerdo e direito - mostra tendência para a especialização e controle de diferentes funções, processamento de tipos distintos de informação e abordagem de diferentes tipos de problemas - e entender como eles funcionam é ter domínio sobre sua vida, seu computador biológico.

Ao se estudar o funcionamento dos hemisférios direito e esquerdo do cérebro, o que se percebe é que não se trata de “dom”, e sim saber utiliza-los com EQULIBRIO e de forma adequada para realizar com sucesso as tarefas que lhe são dadas conscientemente, saindo assim do Stand by.

O H. direito, atrelado aos sentimentos, é mais lento para reagir diante da tirania do H. esquerdo – o poder do H. esquerdo se alicerça a cada dia que passa diante dos desafios cotidianos - e leva-lo a dividir as tarefas em equilíbrio com o H. direito será a grande lição dessa existência.

O H. esquerdo é responsável por manter uma programação mecânica de hábitos, rituais, na qual se misturam a imaginação das crenças, dos preconceitos, dos medos, das limitações que nos é mostrada inconscientemente pelo ambiente conforme a percepção de cada um.


Portanto, as mudanças de rotina previstas para o futuro da humanidade manterá mais ativo o cérebro, aproximando-nos assim do tão desejado equilíbrio humano. Quebrar padrões é a tonica da grande virada da consciência em 2012. Vamos mudar!

Mudanças de percepção
Do nosso mundo, de cada mundo.
Percebendo o mundo externo
Percebendo como traduzimos o mundo
Impacto das mudanças no ambiente sobre nossa percepção
na saúde mental e física.
Estratégias mentais a serem colocadas em prática em qualquer tipo de evento

Esses acima foram alguns dos tópicos que apresentei. O que infelizmente não dá pra reescrever tudo aqui.

Conclusão
Metas – objetivos - planejamento e preparação é, obviamente, a chave para uma evolução de uma consciência elevada. Somos bons no que sabemos, não somos bons naquilo que não sabemos fazer, então pesquise, não aceite tudo facilmente. Se não sabe, aprenda como fazer.

Na natureza, são as espécies muito adaptadas ao próprio hábitat que tendem mais rapidamente à extinção... Por estarmos numa zona de conforto do qual não precisamos planejar nada perante aquilo que possa nos destruir globalmente, ficamos à mercê do acaso, do destino, aguardando que “alguém”, um governante, um cientista ou um deus da Rio+20 resolva os problemas caóticos por nós.

Vai esperando...

Energia elétrica é a tecnologia da sociedade moderna, a pedra angular, tecnologia em que praticamente todas as outras infraestruturas e serviços dependem - e a supressão desta, seria o caos, o “fim de um mundo moderno” – viciado e manipulado pelo H. esquerdo do cérebro.

No entanto, apesar de todo conhecimento sobre essa vulnerabilidade em potencial dos efeitos do clima espacial observados pela NASA em relação ao impacto socioeconômico para os habitantes da Terra, nenhum estudo detalhado sobre esse ou qualquer evento climático foi realizado no Brasil para conhecimento público. Estamos alheios a essa informação e eu fui levar essa ideia para ver se o bonde engata.

Meu objetivo foi o de quantificar os riscos e proteger ou assegurar a recuperação da melhor maneira possível de uma vida “normal” após os eventos, reconhecendo o valor dos avisos prévios – nada de alarme.

Certo/errado – falso/verdadeiro – bom/mau
"Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e fazem do amargo doce. Ai e do doce amargo aos que são sábios em seu próprio olho.". Isaías 5.20

Falei sobre como observar as palavras que fazemos uso diariamente e o impacto que elas têm em nosso cérebro. Palavras são símbolos que programam scripts para serem executados – consciente ou inconscientemente.  

Como símbolo gráfico elas levam o conceito e o link de todas as sensações que são atreladas a elas. Podemos usar esses símbolos de várias maneiras para impressionar os tolos ou para dificultar a comunicação com os mesmos.

Esses eruditos no assunto levam um discurso retórico, uma prosopopeia flácida para acalentar bovinos.
Tradução = Conversa mole pra boi dormir.

Gosto das palavras que todos usam, se elas conseguirem levar a minha mensagem de forma mais fácil aos que não são eruditos, meio caminho andado – o resto é com cada um.

A matéria é um agregado de elétrons
inteiramente sujeitos ao controle da mente

Os ocultistas acreditam que, uma vez que um símbolo é criado ele adquire o poder, e mais poder é gerado quando esse símbolo (s) é criado sem que o iniciado (aquele que tem conhecimento sobre o oculto) saiba sobre ele. 

E, o maior poder de todos é criado no símbolo(s), se os não-iniciados NUNCA descobrirem que o símbolo existe. 

Não entendeu? Tá difícil? Quer que eu desenhe?

Os que lidam com a informação de forma oculta e sigilosa fazem uso de símbolos para se comunicarem entre si – daí vem alguém “de fora” desse circulo e identifica “a coisa”, esse “símbolo” – esse passa a não ser mais “oculto” e perde a força que tinha como instrumento de comunicação e poder entre os que mantinham um segredo.

Estamos navegando em camadas mais profundas da consciência onde os mundos físico e mítico convergem para um só e isso será perigoso para quem não faz a menor ideia do que está vendo, sentindo e experimentando.
Loucura à vista!!!

O cérebro pensa em imagem – precisa de informação detalhada e específica para ver, sentir, ouvir e experimentar a realidade. Quanto maior for a informação e os detalhes sobre uma “coisa” ou um objetivo, mais o cérebro pode “materializar” – essa é a receita da “lei da atração” = foco. Subjetividade destrói o holograma.

O mito é o desdobramento da psique humana e o fim da maldição humana por sua vez, que finalmente terá a capacidade de distinguir a história aberta e a encoberta. Metáforas que ficavam em planos subjetivos da mente, se tornarão parte real da sua, da minha, da nossa história.

Os Deuses vivem no horizonte de eventos - estão lá para nos encontrar. O horizonte de eventos é o limiar onde o retorno aos princípios feminino da cooperação (Hemisfério direito) anulará a pura competição para a sobrevivência (H. esquerdo) - Yang-Yin (+1) + (-1) = 0 - nenhuma diferença.

Clik na imagem para ampliar
O espectro vibracional de sua alma, que é algo equivalente ao seu temperamento emocional ou o estilo que determina sua aprendizagem, irão variar em “futuros prováveis” ​​que mais ressoarem com a sua frequência vibratória.

O medo é projetado num futuro.  Temos medo do que não conhecemos. Uma vulnerabilidade que dá início a um sistema de feedback que garante que uma pessoa se torne frágil. 

Porém, a menos que ela tenha uma mudança de orientação do seu futuro em algo mais equilibrado emocionalmente e espiritualmente, o medo não persiste.

Se seu modo de ser é hostil, depressivo, reativo, passivo, ou se esgota facilmente, irá atrair as experiências e pessoas de igual valor e peso. Atraímos os iguais – procure os iguais.

"Na câmara anecóica, você se torna o som"

Pesquisadores testaram as capacidades das câmaras totalmente anecoicas em seres humanos para entender como o ambiente afeta o cérebro humano. 

Uma câmara anecóica (um-echoic significado = não-eco ou sem eco) é um ambiente projetado para parar reflexões de som ou ondas eletromagnéticas. Elas têm o objetivo de absorver energia (vibrações) em todas as direções.

E o que eles descobriram é que, quando todo o ruído externo é removido de um ambiente a audição humana fará o seu melhor para encontrar  algo para ouvir. Enquanto os minutos vão passando em silêncio absoluto, a mente humana começa a perder sua aderência da realidade.

Em uma sala onde quase 100% do som é silenciado, as pessoas começam a ouvir coisas como o seu próprio batimento cardíaco em um volume muito amplificado. Você vai ouvir seu coração batendo, seus pulmões ressoando, o estômago roncando alto!

E esta é uma experiência muito desorientadora. É tão desconcertante que sentar-se é uma obrigação. Como somos orientados através de sons quando andamos, na câmara anechnoic, você não tem nenhuma pista. 

Você tira todas as pistas perceptivas que permitem ao equilíbrio e à manobra. Se você está lá por meia hora, você tem que sentar. O silêncio, ao que parece, pode colocar uma grande pressão sobre o cérebro humano. De acordo com funcionários do laboratório, ninguém durou mais que 45 minutos antes de ser permitido ouvir os sons doces do planeta Terra novamente.

Então você já sabe: som é informação
O que faz “as coisas” (leia-se matéria) existirem são idéias, conceitos e informação que temos dela.

Quanto mais aguda for a sua percepção (conhecimento), maior será a probabilidade dos seus objetivos serem alcançados.

"Os seres humanos não são realmente pessoas, eles são comunidades de organismos", diz Margaret J. McFall-Ngai

Nossos corpos abrigam 100 trilhões de células bacterianas, superando nossas células humanas 10 para um. Nossos corpos não servem apenas como habitat para outros organismos, mas funcionamos com eles como um coletivo. É fácil ignorar esse fato surpreendente. As bactérias são pequenas em comparação com as células humanas, apenas algumas libras para o nosso peso e permanecem invisíveis para nós. 


Eles não são posseiros simplesmente aleatórios, mas comunidades organizadas que evoluem com a gente e são passados ​​de geração em geração. Como a inter-relação profunda entre seres humanos e os micróbios se tornam mais evidentes, a distinção entre o hospedeiro e o hospedado tornou-se tanto menos claro e menos importante - juntos, operam como um homem em constante evolução na Terra.

Ironicamente, a engenhosidade humana que nos leva a entender mais sobre nós mesmos é que está nos revelando a muito menos "humanos" do que pensávamos.

De fato, vários cientistas começaram a se referir ao corpo humano como um "superorganismo" cuja complexidade vai muito além do que está codificado em um único genoma.

"Esta poderia ser a base de toda uma nova maneira de olhar para a doença", disse o microbiologista Margaret McFall-Ngai na Reunião 108 Geral da Sociedade Americana de Microbiologia em Boston em junho passado.

William Karasov, um fisiologista e ecologista da Universidade de Wisconsin-Madison, acredita que as consequências desta nova abordagem serão profundas. "Todos nós fomos treinados para pensar em nós mesmos como seres humanos", diz ele. 



A diferença entre a nossa interação com bactérias nocivas e úteis, diz Margaret, não é tanto como línguas distintas, pois é uma mudança de tom: "É a diferença entre um argumento e uma conversa civilizada." Estamos em constante comunicação com os nossos micróbios, e as mensagens são transmitidos ao longo do corpo humano.

As bactérias foram consideradas apenas como a fonte de infecções, ou como algo vivo benigno no corpo. Mas agora, diz ele, parece que "estamos tão interligados com os nossos micróbios."

A paisagem do corpo apresenta uma grande variedade de habitats. 
Na terra rica em nutrientes nos intestinos, as comunidades parecem ser bastante estável ao longo do tempo, embora as indicações iniciais mostram o ambiente mais duro na pele atraindo comunidades itinerantes que vêm e vão. As comunidades podem ser localizadas como os bairros de uma cidade, a parte interna do braço contém um grupo diferente dos moradores que o antebraço...

E assim na Terra como no céu, como acontece com os átomos, bactérias, acontece com a gente!

Max Plank descobriu que a energia de um quantun de luz aumenta com a frequência. Quanto maior for a frequência (vibração) maior será a energia

Em uma análise do movimento das partículas que entram em um buraco negro, publicado em março, Nikodem Poplawski da Universidade de Indiana em Bloomington mostrou que dentro de cada buraco negro poderia existir um outro universo.

"Talvez os enormes buracos negros no centro da Via Láctea e outras galáxias são pontes para a universos diferentes“Se” isso for correto - e é um grande "se" - não há de se estranhar que o nosso próprio universo esteja dentro de um buraco negro"- diz Poplawski. 

Como bactérias, será que estamos dentro de um outro ser?!

Como a formação da terra e dos nossos corpos, nós não percebemos as mudanças até que haja um evento súbito que quebre a casca desse ovo galáctico e nos mostre uma nova maneira de ver “a vida”.

Nosso universo 3D ficará pequeno demais para nossa consciência o que resultará num processo de pulo para um nível acima, para dimensões mais elevadas de outra dimensão, então prepare se. A humanidade mudará através do ciberespaço para Hyperspaço.

laura botelho


meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos