Google

Translate my page Google

23 de mar de 2018

Intervalo de renovação - e a desaceleração da Terra


Grandes e poderosas civilizações surgiram, nos dias dos maias, dos astecas, dos incas, dos egípcios, dos caldeus, dos gregos, e outras.

Caldeira do Yellowstone

As civilizações nascem, crescem, alcançam o seu zênite e entram no caminho descendente até sua destruição. Os ciclos históricos são assim - Todas civilizações poderosas desapareceram na face da Terra dando uma reciclagem para uma nova MATRIX.

A anterior começou tendo problemas – muita informação destorcida, muito Fake News... os deuses deletam logo.

Os astecas profetizaram coisas que fazem sentido para nós agora, não antes, mas nesse exato momento.

Segundo os Astecas;
Os filhos do sexto sol (a sexta raça do futuro) terão a ressurreição dos deuses.
Em uma “terra transformada” aparecerá uma nova humanidade.
A Era do Ferro de raças anteriores termina com um cataclismo.
Isso aconteceu entre os Lemurianos e foi visto nos Atlantes.
Com essa raça não será exceção.

A destruição de uma civilização se faz sempre quando ela atinge um crescimento exponencial de informação. Quando os humanos começam “a entender o jogo”, ele cessa.

Milhões de seres humanos serão destruídos, um pequeno núcleo será salvo, como sempre aconteceu nos jogos anteriores. Esse pequeno núcleo iniciará uma nova corrida de ratos, criará uma nova era a partir das informações que tiverem nos últimos momentos do início do cataclismo.

Isso nos faz perceber que quanto maior a informação de um grupo quanto ao domínio desse jogo, maiores serão as chances desse grupo não reencarnar e se livrar dos deuses.


Na mitologia asteca, os gigantes Quinametzin povoaram o mundo durante a era anterior do Sol da chuva (Nahui-Quiahuitl).

Um Quinametzin tinha mais de 10 metros de altura. Eles foram deletados pelos deuses porque não veneravam os deuses e não obedeciam as ordens de não devorar os humanos. A humanidade estava quase em extinção – eles não poupavam ninguém.

A construção da pirâmide de Cholula e da cidade de Teotihuacan foi atribuída aos gigantes Quinametzin, bem como todas as grandes construções no vale dos deuses no Peru.

Alguns Gigantes apoiaram os deuses no início do quinto sol, mas foram deletados mesmo assim. São eles: Cuauhtemoc - Izcoalt, - Izcaqlli – Tenexuche. Os astecas afirmaram que esta raça gigantesca foi extinta pela chuva e lava de fogo.

Analisando a linguagem própria da época, os humanos foram transformados em “pássaros” sendo salvos do sacrifício, logo que os vulcões entraram em erupção. Isso nos dá um link sobre o desaparecimento dos maias, que não deixaram vestígios.

Muitos gigantes viraram “pedra”, literalmente, outros poucos conseguiram fugir para Ilha de Pascoa, mas foram mortos mais tarde pelos próprios humanos.

Os poucos gigantes acuados deixaram a ilha cravada de monumentos gigantescos para confundir os humanos de tentarem invadir a ilha. Afinal, como descer na praia se há milhares de gigantes famintos por todos os lados... mas alguém avisou a galera que os “gigantes” eram fake.

http://bloglaurabotelho.blogspot.com.br/2014/01/arrebatamento-involuntario.html

Deixados pra trás.

Desde o ano de 1600, 278.880 pessoas foram mortas pela atividade vulcânica, com muitas dessas mortes atribuídas a riscos secundários associados à erupção principal.

A fome matou 92 mil pessoas após a erupção de Tambora em 1815 na Indonésia e um tsunami vulcânico matou 36 mil após a erupção de Krakatoa de 1883

Em 2004, cientistas do navio alemão F / V SONNE relataram vulcões de asfalto de 3.000 metros de profundidade no sul do Golfo do México.

Em 2014 pesquisadores encontraram um conjunto de "estruturas realmente grandes" a uma profundidade de 1.900 metros no Golfo do México. O sonar de Sidescan mostrou um conjunto de estruturas realmente grandes. Rochas maciças espalhadas sobre o fundo do mar na forma de uma flor enorme como um lírio gigante, com uma substância negra misteriosa vazando.

Que diabos é um vulcão de asfalto?
É um tipo vulgar de vulcão submarino descoberto em 2003. Esses vulcões se formam quando o material expulso do fundo da Terra cria uma grande estrutura que se encontra acima da terra circundante ou da paisagem marinha.


Vários exemplos foram encontrados: primeiro, ao longo das costas dos Estados Unidos e do México, e depois em outras regiões do mundo; alguns ainda estão ativos.

População do México em perigo constante
Cerca de 60 milhões de mexicanos, ou seja, quase metade da população está em risco de terremotos, disse Carlos Valdes Gonzalez, diretor geral do Centro Nacional de Prevenção de Desastres (CENAPRED).

"A sismicidade importante do país é dada onde os estados de Colima, Jalisco, parte de Michoacan, Queretaro, Hidalgo, México, Veracruz, e, em seguida, para baixo, os estados de Guerrero, Morelos, Puebla, Oaxaca , Chiapas, incluindo Tabasco. Ou seja, há uma população de 50 ou 60 milhões de pessoas que são vulneráveis à fenômeno sísmico ", alertou o especialista.

Rebecca Bendick, geofísica da Universidade de Montana, pede que você não entre em pânico depois de alertar que:

“Enxames de terremotos devastadores" supostamente irão balançar o planeta no próximo ano (2019), graças a uma desaceleração da rotação da Terra.

Em 2018 veremos mais terremotos, vulcões e tsunamis

Prof Bilham disse na época: "A correlação entre a rotação da Terra e a atividade sísmica é forte e sugere que haverá um aumento no número de terremotos intensos no próximo ano".


Os especialistas acreditam que se isso pode ocorrer no núcleo da Terra, em última análise, tem um efeito na superfície também.

A velocidade da rotação da Terra flutua extremamente suave - estendendo ou diminuindo o comprimento de um dia - por um milésimo de segundo - mas essa pequena desaceleração pode ter consequências devastadoras.

Pesquisas de Roger Bilham da Universidade do Colorado em Boulder e Rebecca Bendick, analisaram terremotos com uma magnitude superior a 7 graus na escala desde 1900.

A dupla encontrou um padrão; 5 anos desde a virada do século 20, onde houve significativamente mais 7 terremotos - todos os quais se fizeram presentes no desaceleramento da velocidade de rotação da Terra.

O Prof. Bilham disse: "Nestes períodos, houve entre 25 a 30 terremotos intensos por ano. "O resto do tempo a média era de cerca de 15 grandes terremotos por ano".

"Algo que as pessoas sempre esperaram encontrar. . . é um tipo de indicador importante para a sismicidade, porque isso nos dá um aviso sobre esses eventos", disse Bendick

Bendick disse: "É um pouco assustador entrar no jogo. Mas conseguir um direito de predição pode significar a diferença entre a vida e a morte de inúmeras pessoas. As apostas são muito altas para não tentar

E este ano, a velocidade de rotação da Terra está programada para diminuir bem, levando a um salto nos terremotos de magnitude seis ou sete ou maiores. Mas não há como prever um terremoto individual. Os terremotos ocorrem quando a energia potencial armazenada ao longo de rachaduras na crosta do planeta é liberada, enviando ondas sísmicas através da Terra.



 "INTERVALO DE RENOVAÇÃO"
Em seguida, Bendick e Bilham tentaram descobrir o mecanismo que poderia explicar esses clusters de terremotos. Eles estudaram uma grande variedade de fenômenos globais que se desdobram nas mesmas escalas de tempo: escorregamento da rocha fundida no manto, mudanças na circulação oceânica, transferência de momentum entre o núcleo da Terra e a litosfera (o sólido do planeta).

O melhor ajuste foi pequeno, mudanças cíclicas na velocidade da rotação da Terra, respeitando o intervalo de renovação. Uma qantidade de tempo que uma determinada zona de terremoto requer para aumentar a energia potencial para um grande terremoto.

O planeta diminui a quantidade de terremotos a cada 30 anos, e cerca de cinco anos depois, aparece um conjunto desses sismos severos e de intervalo curto.

"Basicamente você pode pensar em terremotos como algo como uma bateria ou um neurônio; Eles têm uma certa quantidade de tempo que precisam para serem carregados“, disse Bendick.

Uma certa classe de terremotos - aqueles com uma magnitude de 7.0 ou mais, e um curto intervalo de renovação entre 20 e 70 anos - pareciam se agrupar no registro histórico.

A cada 30 anos o planeta parecia ter uma grande quantidade deles - até 20 por ano, em vez dos típicos 8 a 10. Era como se algo estivesse fazendo com que os terremotos se sincronizassem, mesmo que estivessem acontecendo em pontos espalhados por todo o mundo.

Os geofísicos russos  Boris Levin e  Elena Sasorova apontaram essa correlação antes, observou Bendick.

Veja, quando a taxa de rotação da Terra muda, sua forma muda. 
À medida que o planeta acelera, a massa se move em direção ao equador, da mesma forma que a saia de um dançarino acende quando ela gira.

Quando isso diminui, essa massa volta para os polos.
O efeito cumulativo é pequeno - uma diferença milimétrica na largura do globo.

Mas se a energia potencial já se acumulou em várias falhas essa pequena mudança é suficiente para golpear uma proporção das falhas


E o registro histórico indicaria que outro "cluster" pode estar a caminho...

Isso não significa necessariamente que 2018 será um ano particularmente devastador. Por outro lado, é um aviso de alerta para os que já vivem em áreas de falhas geológicas e eventos naturais como - Japão, Nova Zelândia, Costa Oeste dos Estados Unidos – o que há sempre o risco de um terremoto, e é sempre bom estar preparado.

Esse padrão de ocorrência de terremotos definitivamente não é o único fator que influencia o comportamento da Terra. Há, sem dúvida, outros eventos ocorrendo paralelamente que são pouco explorados pela ciência.

Como as águas dos mares e rios baixarem a tal ponto de chamar atenção aos poucos esclarecidos. Bandos de animais marinhos aparecendo mortos nas praias sem explicação.

Esquimós constatam mudanças na rotação da Terra 

Bendick reconheceu que há menos evidências para o mecanismo proposto do que para o próprio padrão. Mas ela está confiante de que o padrão está lá.

"Eu acho que isso é susceptível de inspirar muitas pessoas a olhar para esse padrão, e é possível que alguém tenha uma explicação ainda melhor", disse ela.


as maiores tempestades resultantes dessas condições estão associadas a ejeções de massa coronal solar (CMEs), onde um bilhão de toneladas de plasma do sol, com seu campo magnético embutido, chega à Terra.

As CMEs geralmente levam vários dias para chegar à Terra, mas foram observadas, para algumas das tempestades mais intensas, chegar em menos de 18 horas.

Outra perturbação do vento solar que cria condições favoráveis às tempestades geomagnéticas é um fluxo de vento solar de alta velocidade (HSS).

Essas regiões são muitas vezes relacionadas a tempestades geomagnéticas que, embora menos intensas que as tempestades de CME, muitas vezes podem depositar mais energia na magnetosfera da Terra durante um intervalo mais longo.


Falamos muito sobre esse assunto anos atrás, mas passou despercebido ou ridicularizado por muitos “especialistas” da rede.

O fato é que os eventos estão se intercambiando de maneira tal que basta você ter uma informação que é possível liga-la a tantas outras que estamos presenciando nesse momento da nossa história.

Como sempre, trouxe apenas mais uma informação fresquinha. 

Dia 12 de maio de 2018 farei palestra no Rio De Janeiro sobre a a importância de estarmos atentos ao que virá adiante. Os filmes podem nos dar uma ideia, mas discutir isso para tirar dúvidas é fundamental.   

Se quiser saber mais detalhes sobre a Palestra, escreve para mim pelo Facebook

laura botelho









meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos