Google

Translate my page Google

6 de mar de 2014

Nova visão sobre o "ataque" as Torres Gêmeas!


Sei que esse papo do ataque as Torres Gêmeas em setembro de 2001 já encheu o pote, mas nesse ano de 2014 tivemos uma novidade que “possivelmente” poderá mudar o rumo das coisas, em relação a pontos que demonstram, sem sombra de duvida, que a humanidade está sendo iludida por mecanismos de alta tecnologia por um grupo que movimenta o rebanho para onde desejar, basta para isso apenas fazer uso de imagens, fatos e “cenários” fictícios que nos levem a crer no que eles desejam e não na realidade em si.

Levam ao planeta a ideia que devemos combater tudo aquilo que se pareça com “terroristas”, promovendo, portanto a “guerra ao terror” - um elemento presente em todas os ataques a países e cidades onde eles desejam manter o controle do “eixo do mal”.



A definição de Eixo do Mal está no seguinte Discurso do Estado da União de 2002:

O nosso objetivo é prevenir os regimes que apoiam o terror de ameaçarem a América ou os nossos amigos e aliados com armas e destruição massiva. Alguns destes regimes têm estado bastante quietos desde o 11 de Setembro. Mas sabemos da sua verdadeira natureza. A Coreia de Norte é um regime armado com mísseis e armas de destruição massiva, enquanto esfomeia os seus cidadãos. O Irão persegue agressivamente estes armados e exporta terror, enquanto uns poucos não eleitos reprimem a vontade dos iranianos pela liberdade. O Iraque continua a mostrar a sua hostilidade por toda a América e a apoiar o terror. O regime iraquiano planejou fabricar anthrax, gás de nervos e bombas nucleares para matar milhares dos seus próprios cidadãos - deixando os corpos de mães amontados por cima dos seus filhos mortos. Este é um regime que acordou na existência de inspetores internacionais - e depois deportou-os. Este é um regime que tem algo a esconder do mundo civilizado. Estados como estes, e os seus aliados terroristas, constituem um eixo do mal, armados para ameaçarem a paz no mundo. Por procurarem armas de destruição massiva, estes regimes são um perigo grave e crescente. Eles podem dar estas armas a terroristas, dando-lhes os meios para combinarem os seus planos. Eles podem atacar os nossos aliados ou tentar chantagear os Estados Unidos. Em qualquer um destes casos, o preço da indiferença seria catastrófico”     
— George W. Bush

Morgan O. Reynolds, é Ph.D., atualmente professor emérito de economia, Texas, é um economista ex-chefe do Departamento de Trabalho dos EUA 2001-2002, atuou como Diretor do Centro de Justiça Criminal e Senior Fellow no Centro Nacional de Análise de Política, com sede em Dallas, Texas.

Em março de 2007, Reynolds entrou com um pedido de retificação com o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia EUA citando a sua crença de que jatos comerciais reais (Boeings) não atingiram as torres do WTC.

Em 28  jan 2014 em depoimento que faz parte do processo judicial do Tribunal Distrital dos Estados Unidos, a Southern District, Nova York - um ex-piloto da CIA testemunhou e jurou perante o tribunal que não há indícios de que qualquer avião tenha atingido as Torres Gêmeas, pois isso teria sido fisicamente impossível.

Esse piloto é John Lear, filho de  Bill Lear, inventor da Learjet, que apresentou prova pericial mostrando que teria sido fisicamente impossível para um Boeing 767, como Voos AA11 e UA175 terem atingidos as Torres Gêmeas em 11/9, especialmente quando guiados por pilotos “iraquianos” inexperientes.

'“Nenhum avião Boeing 767 atingiu as Torres Gêmeas como alegada pelo governo, mídia, NIST e seus empreiteiros fraudulentos”, afirmou J. Lear no depoimento. Ele informa com poucas linhas:

1 - Segundo J. Lear, a cauda vertical e horizontal teriam instantaneamente separado da aeronave, batendo nas colunas e caixa de aço e caído no chão, o que não ocorreu. O que nos é mostrado (videos) são aviões feitos de aço inox temperado que cortaram colunas do prédio como uma navalha afiada.

2 - Os motores quando impactando as colunas de aço teriam mantido sua forma geral e, ou caído no chão, ou foram recuperados nos escombros do edifício desmoronado, mas nenhumas das hipóteses citadas foram confirmadas.

3 - Nenhum Boeing 767 pode atingir uma velocidade de 540 mph a 1000 metros acima do nível do mar. O motor não foi projetado para aceitar o volume de ar denso naquela altitude e velocidade.

4 - O pedaço de fuselagem externa alegada contendo 3 ou 4 cortes de janela é inconsistente com um avião que atingiu colunas de aço de 14 polegadas, colocado em mais de 500 mph.

5 - Nenhuma parte significativa do Boeing 767 ou o motor poderiam ter penetrado as colunas de aço de 14 polegadas e 37 metros além do núcleo maciço da torre sem uma parte dela cair no chão.

6 - Os restos do colapso deveriam ter contido seções maciças do Boeing 767, incluindo três núcleos do motor pesando cerca de 9.000 libras cada, que não poderiam ter sido escondidas. No entanto, não há nenhuma evidência de qualquer um destes componentes estruturais maciços a partir de qualquer 767 no WTC. O desaparecimento completo do 767 é impossível.

John Lear
John Lear tem 65 anos de idade e é capitão aposentado da companhia aérea e ex-piloto da CIA - com mais de 19.000 horas de voo e chamou a atenção para a inexperiência dos pilotos “terroristas” que supostamente teriam conduzido  os aviões.

A suposta “descida em Nova York” em um curso relativamente reto por um piloto novato é improvável ao extremo, por causa da dificuldade de controlar a taxa de descida da velocidade dentro dos parâmetros de voo controlado.

É preciso um piloto altamente qualificado para interpretar o visor EFIS (Flight Electronic Instrument Display), com o qual nenhum dos pilotos sequestradores teriam familiaridade ou recebido treinamento para isso usando seus controles, incluindo os ailerons, leme, elevadores, spoilers e manetes para efeito de controle e manter uma descida.

Lear voou mais de 100 tipos diferentes de aviões durante seus 40 anos de vôo e detém mais FAA certificados do que qualquer outro aviador. Ele voou missões secretas para a CIA no sudeste da Ásia, Europa Oriental, Oriente Médio e África, entre 1967 e 1983, em seguida, passou 17 anos trabalhando para várias companhias aéreas de passageiros e de carga como capitão, aviador e instrutor.

Como poderiam aviões de alumínio de 100 toneladas deixar (como num desenho animado) silhuetas em forma de avião suavemente passando por torres de aço e concreto poderosos pesando meio milhão de toneladas cada? 

Aviões de alumínio
Colisões violentas entre aviões e torres teriam deixado grandes quantidades de partes dos aviões e seus conteúdos visíveis em cada corte e abaixo de cada corte. Duas seções de cauda de 44 metros de altura teriam sido encontradas em algum lugar no centro de Nova Iorque e nunca se achou nada dos aviões. Simplesmente foram pulverizados? Ou eles nunca existiram?

Ao contrário de qualquer outra forma de declaração, um depoimento se torna verdade na lei, se não for ilidida. Daqui em diante é aguardar os críticos da teoria de “conspiração” apresentar provas e análises para refutar ponto a ponto da declaração feita pelo perito John Lear.

Se não o fizerem - ou não puderem - em seguida, o governo dos EUA será obrigado a admitir que o relato feito pela Comissão do 11/9 está errado...

E nós, “conspiracionistas de plantão”, poderemos enfim mostrar que se tudo isso foi falso, armado, construído para nos enganar, imagine o que eles não fizeram e continuam fazendo neste momento para manejar a humanidade a seu bel prazer?

Acorda, meu amigo... não temos muito tempo. O velho mundo já era e você tem que aprender a vivenciar o NOVO mundo que está em pleno andamento.

Mas esse novo mundo tem uma vantagem sobre os outros anteriores: pois só agora você sabe como ele funciona!!

Laura botelho


meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos