Google

Translate my page Google

25 de jan de 2014

Aprendendo a morrer - parte 2


"É preciso a vida inteira para aprender a viver,
e o que talvez surpreenda mais
é que se leva a vida inteira para aprender a morrer"
Lucius Annaeus Seneca

Dra. Penny Sartori trabalhou como enfermeira em um hospital britânico por 21 anos, destes, 17 anos na ala de Terapia Intensiva (UTI). Ela é altamente experiente e qualificada em seu papel como assistente de enfermagem intensiva, e conduziu uma pesquisa única e extensa sobre Experiências Quase Morte (EQM) de seus pacientes. 

Em 2005, ela foi premiada com um PhD para sua pesquisa sobre EQMs e seu trabalho tem recebido atenção mundial e cobertura da mídia, em muitas conferências de nível nacional e internacional. 

Seu livro Sabedoria das Experiências de Quase-Morte” (The Wisdom of Near-Death Experiences) - Dr. Penny Sartori, Watkins Books - será lançado 6/fevereiro/2014.

No início de sua carreira, sua vida mudou quando ela estava trabalhando no turno da noite após a morte de um paciente. A maneira como aquele homem morreu a deixou muito sentida, o que a tornou determinada a encontrar uma maior compreensão sobre a morte, para que nenhum outro paciente tivesse que passar por um final semelhante assim.

Isso foi em 1995 e a experiência de cuidar desse paciente foi o que a motivou até o dia de hoje, o que a impeliu a entender a condição de “morte” em sua totalidade, não apenas no corpo físico (isso ela já sabia), mas para dar um foco especial nos cuidados com pacientes terminais.

Ao refletir sobre sua extensa pesquisa, Dra. Penny percebeu que temos negligenciado o entendimento da fronteira entre o “estar vivo” e o “estar morto”. O livro está repleto de ricos exemplos de experiências de morte empáticas e outras experiências semelhantes que ocorrem em torno da morte, relatados por pessoas que buscaram contato com a autora ao longo dos anos. 

Ela acredita que há uma grande sabedoria por trás dos depoimentos dessas pessoas e que se todos nós ouvíssemos o que elas têm a dizer nos beneficiaríamos de tudo, ampliando um mapa, antes muito restrito, a conceitos ditos “esotéricos”, o que mantém as pessoas afastadas da informação, do sentimento de “ridículo”, nada “científico”.


Este livro da Dra Penny pode ter um grande impacto para todo Sistema de Saúde, e a maneira como vemos a “doença”, bem como nossa passagem espiritual. No entanto, as EQMs não são um fenômeno novo, pois já foram relatadas ao longo da história da humanidade por inúmeras vezes, incluido em textos mundialmente conhecidos como a Bíblia, A República, de Platão, e o Livro dos livros - o Tibetano - “livro dos Mortos” (Thoth), um texto claro explicativo sobre o intervalo entre a “vida e renascimento”. 

“Sua dor era insuportável, mas ele ainda podia recordar vividamente quão pacífico ele sentiu naquele quarto rosa.  ele me disse: 'se isso é a morte, é maravilhoso”
(The Wisdom of Near-Death Experiences)

Tomemos, por exemplo, o caso de Fred Williams, um pensionista com seus 70 anos que sofria de estágios finais de um problema cardíaco terminal. Uma noite no hospital, ele perdeu a consciência e temíamos que ele estivesse prestes a morrer. Mas de alguma forma ele conseguiu manter o aperto vacilante sobre a vida. E quando ele finalmente chegou a, percebi imediatamente que ele parecia muito feliz. Meus colegas também comentaram sobre isso. Na manhã seguinte, Fred se recuperou o suficiente para ver seus parentes ansiosos. Para espanto de todos, ele lhes contou que tinha sido visitado - enquanto inconsciente - por sua mãe e sua avó, ambas estavam mortas, assim como por sua (viva) irmã. Eles apenas ficaram ao lado da cama, mantendo vigília. 'Eu não conseguia entender por que minha irmã estava lá também ", ele comentou. Desconhecido para ele, sua irmã tinha realmente morrido na semana anterior. Temendo que a notícia pudesse prejudicar sua recuperação, sua família guardou esse fato dele. Pobre Fred nunca soube a verdade, e morreu uma semana depois”
(The Wisdom of Near-Death Experiences)



“Mas talvez o caso mais extraordinário que eu conheço pessoalmente é o de uma mulher marroquina com seus 30 anos que dirigia um negócio de roupas. Em novembro de 2009, Rajaa Benamour recebeu uma injeção anestésica para uma pequena cirurgia, após a qual ela se viu viajar mentalmente através de toda a sua vida, de volta ao seu nascimento. Ela o descreveu como uma rápida análise da criação do universo. Depois de ter recebido alta do hospital, ela começou a tentar encontrar livros sobre o que tinha aprendido durante a sua visão. Eventualmente, ela percebeu que tinha, de alguma forma, adquirido uma compreensão profunda da física quântica - apesar de nunca ter tido conhecimento anteriormente sobre o assunto. Isto a motivou a estudar o tema a nível universitário. O professor responsável de seus estudos ficou surpreendido. O conhecimento que ela tinha adquirido, segundo ele, não poderia ter vindo do poucos estudos de livros escolares ou de algum curso rápido. Mais estranho ainda, ele ficou intrigado com algumas de suas teorias científicas - ainda que ele já tivesse ciente dessas teorias por trabalhos publicados em revistas de física”
(The Wisdom of Near-Death Experiences)

O que é a morte, afinal? 
Seria algo tão terrível que deveríamos fazer tudo ao nosso alcance para atrasá-la com drogas poderosas e máquinas? O que acontece quando morremos? Por que temos tanto medo de morrer?

Pessoas que tinham experimentado estas visões estranhas e intensas pareciam estar dizendo a mesma coisa: a morte não tem nada para temer. 

Diante dos muitos testemunhos de milhares de experiências iguais Dra. Penny entrou de cabeça na pesquisa e leu tudo sobre morte, resolveu ir a fundo numa especialização do assunto embarcando em um PhD sobre o tema, levando paralelamente seus trabalhos no hospital com cuidados intensivos (UTI)

Como todo aquele que entra em uma jornada contra a correnteza - dos que não desejam que a gente saiba a “realidade” - seus “colegas” resumiram os eventos como fruto de “alucinação”, intoxicação do cérebro quando privado de oxigênio. Mas isso pareceu extremamente improvável depois de suas pesquisas.

Redução de Oxigenação?
Ao reduzi os níveis de oxigênio no sangue, o cérebro torna-se cada vez mais desorientado, confuso e desorganizado, e isso está em total contraste com aqueles que tiveram uma EQM, segundo Dra Penny. Com muita clareza, eles relatam experiências estruturadas que, em muitos casos, permanecem vivas em suas mentes ao longo da vida

Em outras palavras, não seria uma reação “normal” que se esperaria de um cérebro desorganizado com reduzido fluxo sanguíneo. E se as experiências de quase-morte são devidas à falta de oxigênio, em seguida, todos os pacientes que tiveram uma parada cardíaca teriam um. Outro puxão de tapete na teoria de oxigênio é que dois pacientes dela tiveram o sangue retirado no momento de sua experiência de quase-morte e seus níveis de oxigênio estavam perfeitamente normais.

Efeito colateral de altos níveis de dióxido de carbono no sangue?
Com níveis elevados de dióxido de carbono no sangue a pessoa se sente eufórica, seus músculos se contorcem e sacodem convulsivamente, o que não ocorre durante uma experiência de quase-morte.

Drogas? 
20% dos pacientes da Dra Penny não receberam nenhuma droga em momento algum. Na verdade, quando ela analisou sua pesquisa, descobriu que a dor intensa aliviada com sedativos, especialmente em níveis elevados, parece torná-lo menos provável que um paciente tenha uma experiência de quase morte. Além disso, ela entrevistou 12 pacientes que tinham tido alucinações induzidas por drogas e elas eram aleatórias e estressantes, muito assustadoras - como sendo perseguido e esfaqueado com agulhas por traficantes – nenhuma relação com EQM.

Dra Penny viu milhares de pacientes morrerem e alguns estavam fortemente drogados ou ligados a várias máquinas, muitos já não eram capazes de fazer contato visual ou verbal. Simplificando; os médicos bem-intencionados que desejam que seus pacientes morram de maneira tranquila podem estar negando-lhes uma visão final biologicamente natural que trás uma sensação reconfortante, foi a conclusão da Dra. Penny.

Endorfinas?
Os opiláceos são produzidos naturalmente pelo próprio organismo e se o corpo libera endorfinas quando morremos, esperaria se que todos à beira da morte tivessem uma experiência maravilhosa.

Uma espécie de realização?
De desejo inconsciente do paciente diante do inevitável? A maioria das EQMs ocorre quando um paciente adoece inesperadamente, não tendo chance de contemplar sua própria morte – o indivíduo simplesmente não tem tempo de pensar sobre o que está acontecendo.

Então o que exatamente é uma experiência de quase-morte? 
Os pesquisadores concordam que cada visão irá conter pelo menos um dos vários componentes reconhecidos, como viajar por um túnel em direção a uma luz brilhante, recebido por parentes mortos, ou ter uma experiência fora-do-corpo.

Quando a pessoa 'deixa' o seu corpo, ele pode ouvir um zumbido, assobio, ou um cantarolar, ou um clique. Outro componente comum das EQMs é um belo jardim com grama verde e flores em cores vivas. Pode haver um córrego ou rio ao fundo. Algumas pessoas entram no jardim, enquanto outros alcançam uma porta ou barreira - e então sabem que eles vão morrer se passar por ela.

Ao longo de uma EQM, a audição e a visão tornam-se mais agudas, e consciência é elevada. Muitas vezes, a experiência tem sido descrita como "mais real do que real".

O Tempo deixa de ter significado
Em muitos casos, ele se sente como se a experiência durasse horas, mas a pessoa ficou inconsciente por apenas alguns segundos ou minutos. Às vezes, ele se sente como se o tempo acelerasse, às vezes fica mais lento.

São relatados por muitos pesquisadores – que algumas pessoas desenvolvem uma nova sensibilidade à eletricidade ou têm problemas com seus relógios de pulso. Muitos dizem que pararam de usar relógios após sua experiência de quase morte, pois invariavelmente os relógios não funcionam.

Uma mulher conta que ela “golpeia” as lâmpadas regularmente, tanto que isso se tornou uma piada na família. "Eu também sou jogada para trás e para a direita na sala várias vezes ao usar ou tocar em aparelhos elétricos", disse ela. De forma diferente há relatos de pessoas que desenvolveram tendências psíquicas depois de ter uma experiência de quase-morte. Uma mulher narra que poderia posteriormente prever 'coisas ruins' que iriam acontecer, e até mesmo prever quando as pessoas iriam morrer ou "ler a mente de outras pessoas" – o que a afligia muito porque sentia como moralmente errado.

Pam Williams teve uma EQM, enquanto tinha uma hemorragia após o parto. Embora inconsciente, ela "viu" um estrondo médico em seu peito, respirar em sua boca e inserir uma agulha em seu coração. Todo o tempo que isso acontecia, eu me sentia bem: cheia de alegria, paz, flutuando suavemente para a luz brilhante. De repente, ao longe, ouvi o grito de minha filha mais velha," Mãe". Eu me lembro de pensar: 'Oh querida, Jacquie precisa de mim', e eu voltei com uma sacudida. Eu não sou uma pessoa religiosa, mas eu [agora] acredito que há um lugar quente, calmo, bonito, após a morte

Uma coisa é clara: as pesquisas mostram que as experiências de quase-morte muitas vezes levam as pessoas a uma reavaliação espiritual e independentemente do que elas creem, muitos se tornam mais atenciosos com o próximo, um amor incondicional invade sua alma. Já outros acham que a sua religião, em particular, já não suporta adequadamente o que foi "revelado" ou sentido durante sua EQM, percebem de uma maneira dramática que precisam re-avaliar o que fazer com sua própria vida.

Eu particularmente creio que há um “mundo” maravilhoso a nossa espera, mas... como todo “mundo” de percepção ele corresponderá aquilo que acreditamos, aquilo que entendemos como plena existência. Muitos passarão para o outro lado e pouca diferença sentirão.

O “conforto” de ter os “seus” por perto, ter um “lar”, ter um território, ter um grupo, ter um governante, pode trazer um impasse no caminhar em seguir em frente na sua evolução. Lembrando que aqui nesta dimensão usamos o verbo TER, mas lá, o verbo usado é SER... Somos livres, somos fortes, somos felizes, somos parte da natureza, somos o todo, somos pura e infinita energia.

laura botelho






meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos