Google

Translate my page Google

14 de nov de 2013

Somos os Greys de amanhã

”Nunca tenha certeza de nada.
a sabedoria começa com a duvida”
S. Freud

Muitos estão chegando agora nesse meu BLOG e me fazem muitas perguntas. São tantas que não tenho tempo útil para responder a todos, mas uma coisa tem chamado minha atenção e me parece um tema geral, estão querendo “entender” quem ou o que são os “ETs”,  e por que os aliens estão mais perceptíveis só agora e o que eles querem conosco.

Temos seu DNA, somos os “aliens” nessa história toda. Somos subproduto de muitas raças e isso gera um fato interessante para o universo de seres diferentes de nós, pois nós humanos, temos algo que eles não têm – empatia – o que nos transporta a outras dimensões perceptuais das quais eles não conseguem atingir, mas estão trabalhando para isso.

Eu não sou estudiosa de “Aliens”, tão pouco ufóloga. O que faço é estudar “como” eles nos mantém sobre controle - e isso eu já sei = hipnose – e essa é minha praia - e outro fato; estamos mais atentos a suas aparições devido a própria evolução tecnológica crescente que une a mente de um grupo através da afinidade de valores e crenças, no caso, eu e vocês que gostamos desses assuntos. Uma espécie de joio e de trigo crescendo juntos no mesmo solo, mas que se tornarão distintos com o passar do tempo.

A tecnologia nos ajuda a “enxerga-los” e a consciência de grupo amplia a visão dos eventos para nossa avaliação. A existência deles entre nós já era um fato, registrados em muitos livros antigos, assim como nos hieróglifos nas pedras objetivando nos avisar, mas não tínhamos provas, contato visual ou entendimento para vermos como realmente são. Eles nos fizeram crer que eram os “anjos”, espíritos caridosos que nos acompanhavam com intuito de nos “salvar”. Nos enganaram como puderam por longo tempo, mas agora não é mais possível.

O Greys baixinhos (1m) de cabeça grande e olhos negros, são robôs, maquinas biológicas, e trabalham para os Greys de porte mais alto, que por sua vez obedecem a uma espécie reptiliana poderosa, os Dracos, que os deixou no comando da Terra quando partiram algum tempo atrás. 


O planeta Terra é uma BIG fazenda produtora de energia que os mantém, onde o plantel (seres humanos) é alimentado e protegido da morte prematura, tal qual fazemos com nossos bichos. Nós vacinamos, damos a melhor ração, protegemos do frio, do calor e dos predadores para então, irem para o abate. Lembrando que a pecuária é mencionada na Bíblia como a primeira tarefa dada por “Deus” (ENLIL) a Adão: nomear e cuidar do Jardim do Éden e dos animais (nós), e foi o que eles fizeram até hoje.

Analogamente comparando, estamos vendo outros seres (não humanos) assim como se as abelhas ao produzirem tanto mel, pudessem perceber o homem em sua grandiosidade. Como se as abelhas enxergassem o filho da pu13 que rouba o fruto de todo seu trabalho! Mais ou menos assim...

Bom, meu campo de pesquisa, primeiramente, consiste em conhecer a mim mesma e depois meu “inimigo” – esse foi um conselho que caiu muito bem no meu entendimento para seguir o que estou fazendo agora - e veio de alguém que entendia muito de mente humana, acredite.

“Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece, mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas”
Sun Tzu – A arte da Guerra

O que são os aliens Greys?
Muitos relatos sobre abdução reportam tipos diferentes de alienígenas, e foram catalogados um numero que chega a 50 características diferentes, mas os cinzas (greys) têm sido os mais comuns e os mais representados constantemente há mais de 10 mil anos. Greys estão sempre presentes nos encontros com quase todas as outras espécies de aliens narradas pelos abduzidos. São geralmente os seres que fazem o sequestro real, os caras do departamento de logística da coisa toda, e entregam a vitima para outros seres realizarem os testes que necessitam. De acordo com algumas fontes do governo americano, essas entidades biológicas extraterrestres são chamadas de EBEN -Extraterrestrial Biological Entity

O que chama atenção de um alien da espécie “grey” (cinza) nanico são seus olhos grandes e negros. Sua pele é extremamente fina e sem aparência muscular em seus braços ou pernas. Pescoço fino demais para a cabeça grande que sustenta. Os braços são mais longos do que dos humanos, terminando abaixo dos joelhos. Mãos com apenas quatro dedos e comprimentos diferentes.

São capazes de comunicação telepática, mas ela é limitada. Trabalham praticamente com hipnose levando as vitimas a um estado de relaxamento, alterando sua percepção quanto a realidade do evento através de imagens sugestivas, substituindo e inibindo as memórias da violência do sequestro.

Podem estar presentes em todos lugares se mantendo invisível ou parcialmente visível. São onipresentes e onicientes de tudo. Por vezes, se disfarçavam a fim de obter a cooperação do abduzido se transmutando em formas conhecidas tais como Jesus, Maria Santíssima, o Papa, até mesmo algumas celebridades que façam parte do repertório sugestivo de memória do contatado, não poupando nem a identidade física dos parentes mortos, se esses foram muito importantes emocionalmente em vida.

Muitos aliens profetizaram para contatados dos anos 50 alguns eventos que até hoje não se tornaram realidade, juntamente com a promessa de que eles os salvariam de todos os males. Se intitulam os "escolhido" para entregar essas mensagens para a humanidade, os pobres idiotas.

Os cinzas (greys) se dividem em hierarquia de cor e altura.
As espécies variam de tom de pele - do cinza azulado a bege, bege, marrom ou branco. Os “brancos” são mais poderosos, como sempre. Existem outros fatores que parecem afetar a cor da pele, e um deles é o estado de saúde geral da entidade. A cor da pele muda depois de terem consumido alimento, caso contrário, eles ficam “roxos” de fome... (piadinha)

Os Greys altos são as espécies dominantes e são basicamente o "tubo de ensaio" das espécies inferiores. A altura aproximada do cinza (grey) alto é de 3,5 a 4,5 metros de altura, e de acordo com registros obtidos entre 1951 e 1978, eles têm um peso médio de cerca de 40 quilos, têm um nariz mais pronunciado e são mais humanos na aparência física. 

Os Greys altos parecem ser menos propensos às fragilidades do sistema do que os Greys menores. Grupos de Greys baixinhos e cabeça grande são controlados a partir de uma fonte central - geralmente de Greys mais altos, ou humanoides arianos, ou outras espécies dominantes.

Os cinzas baixinhos de cabeça grande, não têm individualidade distinta, como os Greys maiores parecem ter.  A ideia da individualização da evolução parece causar uma grande perda de energia entre eles, já que não são dotados de aspecto emocional como os humanos.

Eles são clones (robôs) que possuem um conjunto complexo de memória social monitorado e controlado eletronicamente que lhes permite funcionar de forma eficaz coletivamente em um modo de mente de grupo. A evidência parece indicar que os baixinhos são subservientes aos Greys mais altos como um sistema de castas, sempre monitorando o que os subordinados estão fazendo.

Operam de forma muito eficiente no escuro, seus olhos são mais sensíveis à luz ultravioleta. A frequência cardíaca normal de um Grey é superior ao de um ser humano. A pele parece ter um teor de metal e uma pigmentação cobalto incomum. Muitos abduzidos notaram que os Greys tem uma série distinta de odores, muitos deles parecem semelhantes ao cheiro de canela mentolada. Os Greys consomem alimentos num processo de absorção através da pele que envolve espalhar uma mistura pastosa de sangue e outros fluidos biológicos (extratos humanos e de animais)  misturados com o peróxido de hidrogênio. Resíduos desse produto são por sua vez excretados também pela pele. 

Muitos não têm órgãos sexuais externos. A maioria das referências aos Greys como seres assexuados são aqueles que se referem à classe operária clonada (baixinhos) que realizam a maior parte do trabalho durante sequestros. Eles são Greys e não Gays.

Segundo narram os pesquisadores e contatados com a espécie greys (cinzas), que a principal motivação para o trabalho de genética com seres humanos envolve a sobrevivência da sua própria espécie (cinzas), que devido a um acidente nuclear no passado teria afetado geneticamente seu DNA os impedindo da utilização da percepção de outros níveis dimensionais fazendo-os prisioneiros desta triste dimensão de suas vidas. Seu campo energético em torno de seu corpo é diferente dos humanos, estando em oposição direta à nossa. 

Eles entendem o conceito de ligação entre mãe / óvulo / criança apenas intelectualmente – um propósito biológico que mantém a sobrevivência da espécie entre os mamíferos. Eles reconhecem a necessidade da criança ter a mãe por um tempo, mas somente em termos da manutenção da vida inicial.

Sua estrutura social é voltada para a obediência e dever, seus conceitos militares são agrupados em torno de conquista, colonização e dominação através do controle da mente. 

O resultado de seus esforços objetiva a busca de encontrar entidades humanas que vibrem em ressonância ao seu complexo vibracional. Um dos aspectos humanos que promove esta ressonância é o medo, que equivale a uma permissão de acesso, do ponto de vista de um Grey.
   
A motivação para conquistar um planeta como a Terra está na localização e identificação com seres que vibram em ressonância com a frequência de um nível negativo de espiritualidade.
   
Segundo a falecida Dra. Karla Turner, que já trabalhou com mais de 400 casos de abdução e escreveu o livro "Into the Fringe", o fenômeno de abdução inclui alguns dos seguintes detalhes que desconhecemos.

Aliens fazem previsões de um período iminente de caos global e destruição. Eles dizem que um certo número de seres humanos serão "resgatados" do planeta, a fim de continuar a espécie, seja em outro planeta ou de volta à Terra depois da destruição. Da mesma forma como da última vez – história de Noé.

Em 1960, o biólogo Allan Frey, então com 25 anos, estava trabalhando em Eletrônica Avançada do Centro de General Electric na Universidade de Cornell, quando ele foi contatado por um técnico, cujo trabalho era medir os sinais emitidos por estações de radar. O técnico alegou que ele poderia "ouvir" o radar.

Frey viajou para o local onde o homem trabalhava e ficou na borda do feixe de radar, e com certeza, ele podia ouvi-lo também. Frey passou a estabelecer que o efeito era radiação microondas que de alguma forma “tocava” seres humanos. 

A "audiência", descrita pelo técnico de radar no entanto, não aconteceu através de ondas sonoras normais percebidas através do ouvido, mas aparentemente em algum lugar no próprio cérebro. As microondas interagiram com as células nervosas do cérebro, que geram campos elétricos minúsculos – um fenômeno que passou a ser conhecido como o efeito Frey.

Frey fez ratos se tornarem dóceis expondo-os à radiação em um nível médio de energia de apenas 50 microwatts por centímetro quadrado e alterando comportamentos específicos de ratos em 8 microwatts por centímetro quadrado. Alterou a frequência cardíaca de rãs vivas em 3 microwatts por centímetro quadrado. Com apenas 0,6 microwatts por centímetro quadrado, fez o coração dos sapos parar de bater cronometrando os pulsos de microondas em um ponto preciso durante o ritmo do coração. 

0,6 microwatts por centímetro quadrado é cerca de 10 mil vezes menor do que a quantidade de radiação que um telefone celular ativo exporia o coração de um homem se ele carregasse no bolso da camisa.

Em um estudo publicado em 1975 em New York Academy of Sciences, Frey informou que as microondas poderiam induzir um "vazamento" na barreira entre o sistema circulatório e o cérebro, causando com isso um AVC apenas calculando a frequência certa.

Você tá aí pensando... “mas que mulher maluca essa laura, nos dá essas informações horríveis pra que? Quer nos matar de medo?”

E eu aqui, estou rindo baldes... Lembra do conselho do guerreiro? Tem mais essa aqui:

“Considere seus soldados como seus filhos, e eles irão segui-lo para os vales mais profundos; olhe sobre eles como seus próprios filhos amados, e eles vão ficar do seu lado até a morte”
Sun Tzu

Não pescou? Que pena, isso é sinal que um de nós é o Joio...

laura botelho


Phil Scheider foi "suicidado" 4 meses após essa apresentação.










meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos