Google

Translate my page Google

11 de fev de 2013

Petrus Romanus...



O texto a “Profecia (?) dos Papas” foi atribuída a São Malaquias, que contém uma lista de 112 frases curtas em latim. 


Esse texto descreve cada um dos Papas Católicos Romanos (junto com alguns anti-papas), começando com o papa Celestino II (eleito em 1143) e concluindo com o sucessor do atual papa Bento XVI, um papa descrito na profecia como Petrus Romanus = "Pedro o Romano", cujo pontificado terminará na destruição da cidade de Roma.

Como toda “profecia” é auto realizante, ela terá que ter um roteiro, um script, um ritual para ser seguido. Essa tal profecia foi publicada pela primeira vez em 1595 por Arnold de Wyon, um beneditino historiador, como parte de seu livro Vitæ Lignum .

Segundo o relato tradicional, em 1139, São Malaquias foi chamado a Roma pelo Papa Inocêncio II, que supostamente teria uma visão sobre o destino dos futuros papas, e como bom programa de dados gravou a sequencia com frases enigmáticas. Este manuscrito foi então depositado no Arquivo Romano, e depois esquecido até sua redescoberta em 1590.

Mas... algumas fontes, incluindo as edições mais recentes da Enciclopédia Católica, sugerem que a profecia é uma falsificação  do final do século 16. Outros sugerem que tenha sido criado por Nostradamus e foi creditada a São Malaquias.

Seja lá quem for o dono da “profecia”, o fato é que; basta acreditar que ela se materializa.
  
De labore solis
A partir do trabalho do sol Bl. João Paulo II (1978-2005)       Karol Wojtyla
Nascido no dia de um eclipse solar e sepultado no dia de um eclipse solar.

Oliuæ Gloria. Glória da azeitona.  
Bento XVI (2005-2013) Joseph Ratzinger
Escolheu o nome de Bento depois do reinado de São Bento de Núrsia, fundador da Ordem Beneditina. 
Na extrema perseguição da Santa Igreja Romana, não vai sentar-se
“Pedro, o Romano, que vai nutrir as ovelhas em muitas tribulações; quando terminar, a cidade das sete colinas será destruída e o juiz terrível julgará o seu povo. O fim”    
                       
Como sabemos, a igreja é fundamentada em rituais macabros de sacrifício que segue uma receita simples para acercar o rebanho de ovelhas. Roma está em descredito e numa escala progressiva de problemas e isso não é nada bom para os negócios...

"Mostre-me uma família de leitores,
e lhe mostrarei o povo que dirigirá o mundo."
Napoleão Bonaparte



Expedição militar de Napoleão ao Egito, em 1798, foi um ponto de viragem na história por vários motivos.

Culturalmente, abriu o Oriente para o Ocidente, depois de séculos ignorar o outro. Oriente levou séculos, em contraste com um Ocidente sonolento hiperativo, exatamente o oposto aconteceu no período das cruzadas na Europa, onde uma paralisação virtual pela religião e as trevas da Idade Média no Oriente viu uma luz e agressiva expansão.

Em meados do verão de 1798 Napoleão estava no Norte de África.
Ele também procurou estabelecer um francês, até então inexistentes, colonialismo na região, e até mesmo levou 167 dos melhores cientistas e estudiosos da França, especialistas em vários ramos do conhecimento, para estudar a cultura do Egito Antigo.

Além disso, um destacamento francês descobriu a famosa Pedra de Roseta, então confiscadas pelo exército britânico e expostos no Museu Britânico desde 1802, a chave para decifrar os hieróglifos egípcios transportando mais de 1.400 anos, que ninguém podia ler isso.

Outro fato pouco conhecido é a história sobre Napoleão que teria passado a noite sozinho dentro da "Câmara do Rei" da pirâmide de Quéops (Khufu no Egito). O fato é bem documentado historicamente que aconteceu na noite de 12 de agosto de 1799, por sinal, apenas três dias dele completar 30 anos.

Napoleão sabia que tanto Alexandre, o Grande e Júlio César haviam passado uma noite na Pirâmide de Quéops... Provavelmente, Napoleão sabia que algo fora do “comum” acontecia por lá e foi à procura de seu lugar na história.

Textos narram que na manhã seguinte o general Napoleão veio das entranhas da pirâmide de Khufu magro e mudo. Não querendo dizer nada sobre o que aconteceu lá dentro. Ninguém, nem mesmo Kebler seus fiéis, ou qualquer outro general, nunca soube o que aconteceu naquela noite. Napoleão não queria passar por louco.

Na pesquisa de campo os soldados de Napoleão encontraram uma dessas pedras roseta. Apesar de estar mutilada, foi possível reconstituir a totalidade do texto original, graças a outras cópias do decreto que foram encontradas.

O faraó Ptolomeu V Epifânio havia concedido ao povo a isenção de uma série de impostos. Em sinal de agradecimento, os sacerdotes ergueram uma estátua de Ptolomeu V em cada templo e organizaram festividades anuais em sua honra.

Para deixar registrada para sempre tal decisão, gravaram-na em várias estelas comemorativas e colocaram uma delas em cada templo importante da época.

"No decorrer do reinado do jovem que sucedeu a seu pai na realeza, Senhor dos Diademas, mui glorioso, que estabeleceu o Egito e foi piedoso perante os deuses, triunfante sobre seus inimigos e que restaurou a paz e a vida civilizada entre os homens, Senhor dos Festivais dos Trinta Anos, semelhante a Ptah, o Grande, um rei como Rá, grande rei dos países Alto e Baixo, progênie dos Deuses Filopatores, aprovado por Ptah, a quem Rá deu a vitória, imagem viva de Amum, filho de Rá, PTOLOMEU, ETERNO, AMADO DE PTAH, no nono ano, quando Aetos, filho de Aetos, era sacerdote de Alexandria e os deuses Sóteres e os deuses Adelphoi e os deuses Evergetes e os deuses Filopatores e o deus Epifânio Eucaristo; Pyrrha, filha de Philinos, sendo Athlophoros de Berenice Evergetes, Areia, filha de Diogenes, sendo Kanephoros de Arsinoe Filadelfo; Irene, filha de Ptolomeu, sendo sacerdotisa de Arsinoe Filopator; aos quatro do mes de Xandikos, de acordo com os egípcios, o 18ª de Mekhir.

O DECRETO
Estando reunidos os Sacerdotes Principais e Profetas e aqueles que adentram no templo interior para paramentar os deuses, e os Portadores de Abano e os Escribas Sagrados e todos os demais sacerdotes dos templos da terra que vieram se encontrar com o rei em Mênfis para a festa da assunção de PTOLOMEU, ETERNO, O BEM AMADO DE PTAH, O DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO, o sucessor de seu pai na realeza; estando todos reunidos no templo de Mênfis nesse dia, declaram que:

considerando que o rei PTOLOMEU, ETERNO, O BEM AMADO DE PTAH, O DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO, o filho do rei Ptolomeu e da rainha Arsinoe, os deuses Filopatores, foi um benfeitor tanto do templo quanto daqueles que vivem nele, bem como de seus assuntos, sendo um deus oriundo de um deus e de uma deusa amados de Hórus, o filho de Ísis e de Osíris, que vingou seu pai Osíris, estando propiciamente inclinado em relação aos deuses, destinou à renda dos templos riquezas e milho e empreendeu muitas despesas para a prosperidade do Egito e para a manutenção dos templos e foi generoso sobretudo com seus próprios meios; e isentou alguns e abrandou para outros os impostos e taxas cobrados no Egito, para que essas pessoas e todas as demais pudessem viver em prosperidade durante seu reinado;

e considerando que ele anulou os débitos que numerosos egípcios e o restante do reino tinham com relação à coroa; e considerando que para aqueles que estavam presos e aos que estavam sob acusação há muito tempo, ele decidiu aliviá-los das cargas que pesavam contra eles;

e considerando que ele confirmou que os deuses continuarão a viver das rendas dos templos e das dotações anuais recebidas, tanto de grãos quanto de bens, bem como das rendas destinadas aos deuses pelos vinhedos, jardins e outras propriedades que pertenciam aos deuses durante o reinado de seu pai;

e considerando que ele também decidiu, em respeito aos sacerdotes, que eles não devem, para admissão ao sacerdócio, pagar mais do que as taxas estabelecidas durante o reinado do seu pai e até o primeiro ano do seu próprio reinado; e desobrigou os membros das ordens sacerdotais da viagem anual a Alexandria;
e considerando que ele decidiu que não haverá mais nenhum recrutamento compulsório para a marinha; e que da taxa sobre tecido de linho fino pago pelos templos à coroa ele reduziu dois terços; e que qualquer que tenham sido as negligências de tempos passados, ele as corrigiu devidamente, destacando-se muito particularmente as taxas tradicionais a serem pagas apropriadamente aos deuses; e igualmente a todos ministrou justiça, como Thoth, o grande e grande; e decretou que aqueles que retornam da guerra e aqueles que foram espoliados de seus bens nas épocas de turbulência, devem, no seu retorno, ser autorizados a ocupar suas antigas propriedades;

e considerando que ele autorizou o desembolso de grande quantidade de dinheiro e grãos para enviar a cavalaria, a infantaria e a marinha contra aqueles que invadirem o Egito por mar e por terra, a fim de que os templos e todos aqueles que habitam na terra possam estar em segurança; e que tendo ido a Lycopolis, no nomo de Busirite, com um abundante arsenal e outras provisões, para constatar e dissipar o descontentamento provocado por homens ímpios que perpetraram danos aos templos e a todos os habitantes do Egito, ele a circunvalou de pequenas colinas, canais e complicadas fortificações; quando o Nilo, que habitualmente inunda as planícies, teve uma grande cheia no oitavo ano do seu reinado, ele a evitou construindo em numerosos locais desvios para os canais, por um custo irrisório, e confiando a guarda desses locais à cavalaria e à infantaria, em pouco tempo, ele tomou de assalto a cidade e matou todos os homens ímpios, tal como o fizeram Thoth e Hórus, o filho de Ísis e Osíris, em tempos passados, para subjugar os rebeldes no mesmo distrito; e como seu pai havia feito com os rebeldes que haviam molestado a terra e lesado os templos, ele veio a Mênfis para vingar seu pai e sua própria realeza e os puniu como eles mereciam; aproveitando-se de sua vinda, ele fez executar as cerimônias adequadas da sua coroação;

e considerando que ele dispensou o que era devido à coroa pelos templos até o seu oitavo ano, não exigindo sequer uma pequena quantidade de milho ou dinheiro; e que fez descontos também nas multas para os tecidos de linho fino não entregues à coroa e para os que foram entregues diminuiu as taxas pelo mesmo período; e que ele também isentou os templos do imposto de uma medida de grão para cada medida de terra sagrada e, da mesma forma, de uma jarra de vinho para cada medida de terra dos vinhedos;

e considerando que ele fez muitas oferendas a Ápis e a Mnevis e aos outros animais sagrados do Egito, pois ele é muito mais preveniente do que os reis que o precederam com relação a tudo que lhes dizia respeito; e que para seus funerais ofertou o que era conveniente com prodigalidade e fausto, e que o que foi pago aos seus santuários específicos o foi regularmente, com sacrifícios e festivais e outras observâncias costumeiras, e que ele manteve a honra dos templos do Egito de acordo com as leis; e que ornou o templo de Ápis com um rico trabalho, dispendendo com isso grande quantidade de ouro, prata e pedras preciosas;

e considerando que ele fundou templos e santuários e altares e reparou aqueles que necessitavam de reparo, tendo o espírito de um deus benfeitor no que diz respeito à religião;

e considerando que, após levantamento, ele vem reconstruindo, durante seu reinado, os mais honoráveis dos templos, como se fazia necessário; em recompensa pelo que os deuses lhe têm dado saúde, vitória e poder, e todas as demais coisas boas, e ele e seus filhos permanecerão na prosperidade por todos os tempos.

COM FORTUNA PROPÍCIA:
Foi decidido pelos sacerdotes de todos os templos da terra aumentar grandemente as honras devidas ao Rei PTOLOMEU, ETERNO, O BEM AMADO DE PTAH, O DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO, igualmente as de seus pais, os Deuses Filopatores, e as de seus ancestrais, os Grandes Evergetes e os Deuses Adelphoi e os Deuses Sóteres e colocar no local mais proeminente de cada templo uma imagem do ETERNO REI PTOLOMEU, O BEM AMADO DE PTAH, O DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO, que será chamado simplesmente "PTOLOMEU, o defensor do Egito", ao lado do qual deverá permanecer o deus principal do templo, entregando-lhe a cimitarra da vitória, e tudo será fabricado segundo os usos e costumes egípcios; e que os sacerdotes prestarão homenagem às imagens três vezes por dia, e colocarão sobre elas as vestimentas sagradas, e executarão outras devoções habituais como são devidas aos demais deuses nos festivais egípcios;

e construir para o rei PTOLOMEU, O DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO, descendente do Rei Ptolomeu e da Rainha Arsinoe, os deuses Filopatores, uma estátua e um santuário de ouro em cada um dos templos, e colocá-lo na câmara interior com os outros santuários; e nos grandes festivais nos quais os santuários são levados em procissão, o santuário do DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO será levado em procissão junto com os demais.

E para que ele possa ser facilmente reconhecido agora e para todo o sempre, deverão ser colocadas sobre o santuário dez coroas reais de ouro, às quais será acrescida uma naja, à semelhança de todas as coroas ornadas com najas que estão sobre os demais santuários, no centro da coroa dupla que ele usava quando adentrou o templo de Mênfis para realizar as cerimônias de sua coroação; e na superfície que rodeia as coroas, ao lado da coroa acima mencionada, deverão ser colocados símbolos de ouro, em número de oito, significando que esse é o santuário do rei que uniu os países Alto e Baixo.

E como o aniversário do rei é celebrado no 30º dia de Mesore e como também se celebra o 17º dia de Paophi, dia em que ele sucedeu a seu pai, esses dias foram considerados como dias de devoção nos templos, pois eles são fontes de grandes bençãos para todos;

e foi decretado ainda mais que um festival terá lugar nos templos por todo o Egito nesses dias de cada mês, acompanhados de sacrifícios e libações e todas as cerimônias costumeiras dos outros festivais e oferendas serão feitas aos sacerdotes que servem nos templos.

E um festival terá lugar em honra do Rei PTOLOMEU, ETERNO, O BEM AMADO DE PTAH, O DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO, anualmente, nos templos por todos os cantos da terra no 1º dia de Thoth durante cinco dias, durante os quais eles usarão guirlandas e executarão sacrifícios e libações e outros sacramentos habituais, e os sacerdotes de cada templo serão chamados os sacerdotes do DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO e mais os nomes dos outros deuses que eles servem; e seu sacerdócio será inscrito sobre todos os documentos oficiais e será gravado nos anéis que eles usam;
e os particulares serão também autorizados a assistir os festivais e a instalar o santuário supra-mencionado em suas casas; executar as celebrações supra-mencionadas anualmente, a fim de que todos e cada um possa saber que os homens do Egito exaltam e honram o DEUS EPIFÂNIO EUCARISTO, o rei, de acordo com a lei.

Este decreto será inscrito sobre uma estela de pedra nos caracteres sagrados e nativos e gregos e será erigida em cada um dos templos de primeiro, segundo e terceiro graus, ao lado da imagem do Rei Eterno."

Epifanio eucarístico - significa "Deus grato pela manifestação"  

Você não entendeu nada? Não consegue ver relação com nada que eu postei?
Caro leitor... vai estudar.

laura botelho








meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos