Google

Translate my page Google

29 de set de 2013

Video - O que é "Fake"? A "verdade" é um ponto de vista


Encontrei esse vídeo e achei muito bom a coletânea de dados e como eles mostram a relação com aquilo que muitos não acreditam. Tudo faz parte de jogo que se chama PARADOXO. 

"falso/verdadeiro" - "certo/errado" - "justo/injusto" - "bom/mau" - "bem/mal" - "luz/escuridão"

Antes de escolher um "lado" da questão, pesquise. Explore tudo que puder. Compare, reveja.
Essa é a minha sugestão de informação.

laura botelho

25 de set de 2013

Vídeo - inversão dos polos


Se você tem idade mental de 5 anos não assista isso. 
Efeitos colaterais:

  • Xixi na cama
  • Pesadelos e sudorese
  • Insonia e mau humor
  • Raiva por ter assistido 
  • Culpar a laura por todos seus sintomas acima
Mas se seu EGO está em perfeito equilíbrio, assista e entenda todo o processo natural de existir nessa dimensão. Não viemos a passeio, precisamos aprender com os eventos ao invés de lutar contra eles. Quanto mais aprendemos sobre todos os fenômenos, mais fortes e tranquilos ficaremos. 


laura botelho



20 de set de 2013

Video - Anunnaki e suas agendas.

Essa é minha sugestão de vídeo.  Eu já conhecia, mas não sabia que estava legendado. Melhor ainda para nosso entendimento.

Como eu sempre faço questão de frisar:
Assista sem pré-julgamentos.
Pegue o que te serve e o que não... ignore.

O conteúdo trás muita informação que está coerente com que eu acredito, mas há partes no discurso que não estão. Há pequenos trechos que não estão afinados com o que eu estudo, mas é um ponto de vista do autor a ser respeitado.

Ninguém tem a “verdade” ou a história “correta”. Cada um verá e terá uma percepção muito pessoal do que somos e para que “somos” nesse momento. As informações contidas nesse vídeo são apenas peças soltas desse grande quebra cabeças que precisamos montar.

O importante aqui é entender – ver o quadro geral – para então escolher e unir as partes com aquilo que já sabemos (ou não). Minha intenção é fazer você explorar e pesquisar mais e mais com base no que estão nos oferecendo.

Bom fim de semana

laura botelho

18 de set de 2013

O direito divino dos reis


Consistia em uma doutrina política e religiosa que afirmava que um monarca tinha autoridade suprema sobre o homem, derivando seu direito de governar diretamente a partir da "vontade de Deus" e só Deus poderia julgar um rei injusto. A doutrina implica que qualquer tentativa de depor o rei, ou restringir seus poderes, contrariava a vontade de Deus constituindo uma heresia. 

O direito divino dos reis foi revisto na Inglaterra durante a Revolução Gloriosa de 1688-1689. As revoluções americanas e francesas do final do século 18 enfraqueceram ainda mais o apelo dessa teoria, e "dizem" que no início do século 20 (??), havia sido praticamente abandonado em todo o mundo

A ideia do direito divino dos reis implicitamente afirmava que ninguém, além do rei, era digno de punir seu próprio sangue

Esta lei criou um problema para os professores, nos tempos antigos, porque o rei nem sempre tinha tempo para essa tarefa de criar um filho, deixando a cargo de educadores para esse fim. Mas qualquer tipo de sansão ao jovem príncipe seria impensável,  pois como “deuses” intocáveis – não poderiam ser punidos fisicamente. 

Bom, se o próprio pai (Rei) não tinha tempo para essas questões e os educadores não poderiam toca-lo caso se comporta-se de maneira errada durante as suas aulas, um bode expiatório da criança seria punido fisicamente na frente do príncipe em seu lugar.

Meninos páreas tinham a mesma idade do príncipe e cresciam juntos desde crianças criando um vinculo emocional, pois um príncipe não tinha “colegas” de escola – eram educados no ambiente do castelo. Esse menino/capacho era muitas vezes torturado em detrimento do príncipe que não podia sofrer qualquer tipo de sansão. Esses capachos tinham uma vida triste e dolorosa... muito parecida com a dos pobres brasileiros agora.

Algo me diz que que esse direito divino dos Reis esteja vigente até hoje...
Os “príncipes” fazem as merdas e os meninos/capachos (povo) pagam o pato...

laura botelho

Bom video que mostra aquilo que a gente não vê por aí...




11 de set de 2013

Video - 9/11 - a grande farsa terrorista entre tantas

Passados 12 anos do simulado ataque terrorista de todos os tempos, é necessário mais e mais a cada dia mostrar aos adormecidos que está na hora de despertar dessa hipnose coletiva.

Janeiro de 2009 - bomba de fósforo branco em uma escola da ONU na Faixa de Gaza lançada por Israel. 

Entender os motivos que levaram a essa trama diabólica fabricada pelo próprio Governo USA, poderemos enxergar outras guerras e “falsas bandeiras” alardeadas e propagadas para servirem de venda de armamentos e outros fins que não visam o bem estar da humanidade, muito pelo contrário.

Após oito dias de bombardeio aéreo intenso Israel usou bomba em sua invasão do Líbano em 2006, (teve que admitir o uso dessas armas proibidas antes da esmagadora evidência e os relatórios do direito humanitário e internacional). Além do uso de bombas de fósforo branco, Israel lançou mais de um milhão e meio de bombas de fragmentação (armas que o BRASIL o maior país CRISTÂO fabrica, mesmo contra um acordo internacional) que até hoje continuam a causar danos a civis em áreas bombardeadas.

De acordo com especialistas militares israelenses, essas armas são usadas para cobrir o avanço da invasão a Gaza – a região mais densamente povoada do mundo. As bombas de fragmentação podem ficar enterradas por anos, sem explodir, representando um risco para a população mesmo depois do fim de um conflito.

Partículas incandescentes de fósforo branco jogadas por Israel produzem profundas extensas e dolorosas queimaduras de segundo e terceiro grau. Queimaduras de fósforo transportam uma maior mortalidade do que as outras formas de queimaduras devido à absorção de fósforo no corpo através das áreas atingidas, resultando em órgãos internos danificados como o coração, fígado ou rim.


O Brasil produz, exporta e estoca bombas de fragmentação. Durante as negociações do tratado - o chamado Processo de Oslo – o BRASIL cristão permaneceu apenas como observador no alto da montanha. A assessoria de imprensa do Itamaraty informa que, segundo o governo brasileiro trata-se de "armamento necessário para a defesa nacional". Hoje países que mantém essa arma incluem China, Rússia, Estados Unidos, Índia, Israel, Paquistão e Brasil.

O Brasil já exportou munições cluster para o Irã, o Iraque e a Arábia Saudita. A última exportação de conhecimento público foi para a Malásia, em 2010. Outra polêmica estourou em 2011, quando a imprensa brasileira teve acesso aos registros antigos do Ministério da Defesa – com base na Lei de Acesso à Informação – e revelou que o Brasil havia exportado, em 2001, quase 6 milhões de dólares em bombas de fragmentação para o governo ditatorial do Zimbábue, país onde opositores ao regime são frequentemente mortos.

De acordo com o Monitor Internacional de Minas Terrestres e Munições Cluster, a única empresa brasileira que produz as bombas de fragmentação declarou em 2010 um lucro entre 60 milhões e 70 milhões de dólares por ano com exportações.

A pergunta a ser feita aqui: Por que diabos o GOVERNO americano não invadiu Israel ou pediu explicações sobre esse ataque com armas químicas sobre Gaza e outros?

A resposta? No íntimo você já deve saber...


laura botelho

6 de set de 2013

Cometa ISON - torço que seja uma Nave...


Recebi ontem um link e informação sobre o fechamento do sistema de defesa aeroespacial americano por Francisco Almeida (via Facebook) e achei a coisa muito estranha e fui pesquisar isso a fundo. E estou grata a ele por isso.

Achei a primeira noticia no site da Revista Forbes que confirma o corte do orçamento do sistema de defesa aeroespacial americano, mas a explicação por parte das autoridades dentro da “complexidade dessa engrenagem” não me caiu bem...

Coloquialmente conhecido como o Fence Space, é um sistema de radar, um componente da rede de vigilância espacial do governo dos EUA  construído para detectar objetos orbitais  que passem sobre a América. São sensores ópticos instalados em 25 locais em todo o mundo.


O SSN (O programa SPACETRACK) vem acompanhando objetos espaciais desde 1957, quando a União Soviética abriu a era espacial com o lançamento do Sputnik I

Num circulo de milhões de objetos sobre a Terra a SSN atualmente vigia atentamente mais de 8.000 objetos em órbita e é capaz de detectar rastrear e medir um objeto do tamanho de uma bola de beisebol em órbita, objetos tão pequenos como 10 cm de largura (quatro polegadas) numa altura de até 30.000 km sobre a Terra.

A sede da operação está em Dahlgren, Virginia, e estações de radar estão espalhados por todo o território continental dos Estados Unidos, mais ou menos ao nível do paralelo 33 norte.

A vigilância do espaço realiza o seguinte:

  •   Prevê quando e onde um objeto espacial irá reentrar na atmosfera da Terra
  •   Identifica rapidamente e impede que um objeto espacial no radar apareça como um míssil, e desencadeie um alarme falso em sensores de alerta de mísseis de ataque de os EUA e outros países;
  •   Mapeia a posição atual de objetos espaciais e traça seus caminhos orbitais previstos;
  •   Detecta objetos novos feitos pelo homem no espaço;
  •   Mapeia corretamente objetos que viajam em órbita da Terra
  •   Produz um catálogo de execução feito pelo homem como objetos espaciais;
  •   Determina qual o país é dono de que objeto espacial na reentrada;
  •  Informa a NASA sobre objetos que possam interferir com satélites e a Estação Espacial Internacional orbital.

O sistema de proteção foi anteriormente operado pela Marinha dos EUA, conhecido como NAVSPASUR (abreviação de "Vigilância Espacial Naval"), mas o comando foi passado para Air Force Esquadrão de Controle Espacial em 1 º de outubro de 2004. 

Para controlar todo esse lixo no espaço e manter os seus satélites fora do caminho de colisões prejudiciais, a Força Aérea Americana tem gasto centenas de milhões de dólares no desenvolvimento desse sistema de radar e segundo a agencia espacial a verba foi cortada...

O governo dos Estados Unidos tem bilhões de dólares em tecnologia flutuando na órbita da Terra, a partir de relés de telecomunicações, assim como câmeras espiãs, e sem uma explicação “racional”, esse sistema deixou de funcionar nesse mês de setembro de 2013.

Em primeiro de agosto de 2013 o general William L. Shelton, comandante do Air Force Space Command, determinou que o Sistema de Vigilância do Espaço Aéreo seja fechado e todos os sites desocupado.

Parece que puxaram o plugue às 00:00 UT (06:00 MDT Local) em 01 de setembro de 2013, relata o engenheiro Stan Nelson, que estava monitorando o radar com uma antena em Roswell, Novo México. Ecos finais do radar vieram de um satélite russo e um meteoro esporádico.

De acordo com um relatório recente em Defense News, eles foram detidos por programas de austeridade do Departamento de Defesa, até que o Pentágono conclua um grande estudo de como os cortes no orçamento poderão afetar a missão do departamento ao longo da próxima década.

Enquanto o Pentágono determina se tem ou não dinheiro suficiente para continuar a financiar a defesa do espaço, a Força Aérea planeja atualizar sistemas em algumas das suas estações já existentes, incluindo o Esquadrão de Controle do Espaço 20 na Base Eglin Air Force, em Valparaiso, Florida.

Mas, mesmo atualizados, esses sistemas não serão capazes de fornecer a mesma eficiência de rastreamento de pequenos objetos altamente perigosos à sociedade como um todo...

Dorme com essa.

E o ISON está vindo
Alerta emitido em 24 de setembro de 2012 anunciou a descoberta de um novo cometa - por Vitali Nevski (Vitebsk, Bielorrússia) e Artyom Novichonok (Kondopoga, Rússia) - designado C/2012 S1 - Vulgarmente conhecido pela mídia como cometa ISON 2012. 

Observações sugerem que o C/2012 S1 tem um núcleo cerca de 5 km de diâmetro – o bicho é grande paca! Originalmente pesquisadores especularam que o “cometa” poderia tornar-se mais brilhante do que a Lua cheia, mas mais recentemente mudaram de opinião, dizendo que sua magnitude aparente -3 a -5 , terá o mesmo brilho de Vênus.

Cometa C/2012 S1 (ISON) se aproximará 0.012AU do Sol (muito perto) no final de novembro de 2013 e, em seguida, para ~ 0.4AU da Terra no início de janeiro 2014

De acordo com sua órbita, (dizem os especialistas) que este “cometa” poderá se tornar um objeto visível a olho nu, no período de novembro de 2013 - janeiro de 2014, isso caso o ISON seja mesmo um cometa, se não for... veremos outra coisa do mesmo jeito.

Caso seja realmente um enorme e brilhante cometa, em seu trajeto poderá deixar para trás um rastro de meteoros em 16 janeiro de 2014 e sem um sistema de alerta nos avisando em que cabeça essas pedras cairão, podemos esperar um ano bem agitado em 2014.

Deixo aqui um rastro pra você pensar e pesquisar. As informações estão incoerentes e contraditórias. Não fazem muito sentido a primeira vista. Cortar um sistema de alerta espacial na altura do campeonato?!!

O que facilmente podemos observar é que o meteoro de Cheliabinsk  na Rússia que caiu recentemente em 15 de fevereiro 2013 era BIG e foi detonado por esse sistema de defesa americano antes de cair em solo, mas nada foi dito sobre isso. A agência de notícias russa  estima que a explosão (??)  tenha ocorrido entre 30 e 50 km de altitude.

Estimou-se que o meteorito na Russia ao adentrar a atmosfera terrestre tinha aproximadamente 10 000 toneladas de massa17 m de diâmetro, liberando o equivalente a 500 quilotons de energia durante o evento. Para efeitos de comparação, a bomba nuclear jogada sobre Hiroshima, liberou cerca de 13 quilotons de energia...

E agora, José? Sai dessa


laura botelho




5 de set de 2013

Video - Em breve - revelando o passado da humanidade


Falta pouco. Até o fim desse ano acredito que a humanidade terá que se preparar para essa realidade. Mais mudanças estão previstas. Mudanças físicas, geológicas, psicológicas, sociológicas e espirituais. 
Falta pouco

laura botelho

meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos